Juara (MT), 16 de outubro de 2018 - 22:59

? ºC Juara - MT

Economia

22/05/2018 15:51 Acesse Notícias

INDEA interdita 355 propriedades em Juara e região por vacinas contra Febre Aftosa sem controle sanitário

O INDEA detectou lote de vacinas contra Febre Aftosa em Juara, em desacordo com as normas e todas as propriedades que adquiriam as vacinas desse lote estão interditadas e proibidas de comercializarem.

O caso é pontual e se refere à venda feita pelo comércio Agropecuário de nome AGROVALE e que segundo o INDEA, uma nota fiscal teria sido adulterada e percebida pelos técnicos do órgão, no momento da notificação por parte de um dos pecuaristas.

A repercussão foi imediata, porque compromete a credibilidade do Município e do estado de MT como livre da doença e também do Brasil, perante órgãos internacionais, por isso, a imediata intervenção do MAPA- Ministério da Agricultura e outros órgãos fiscalizadores, que interrogaram o proprietário desse estabelecimento na tarde do dia 21 em Cuiabá para evitar outros prejuízos.  

Em entrevista exclusiva a rádio Tucunaré e site Acesse Notícias, o Presidente do Sindicato Rural de Juara Jorge Mariano, declarou que o produtor rural cumpriu com a determinação de vacinar conforme determina a lei, comprando a vacina naquela loja e vacinando seu gado, onde muito deles já informaram ao INDEA e portanto, está tudo legal, no entanto, mesmo sendo pecuarista há tantos anos, nunca conferiu a nota fiscal com o frasco de vacina, para conferir se a partida confere com a da nota. “Acredito que 99,9% não vê isso daí”, disse.

O produtor rural está inocente em tudo isso, pois não tem culpa nenhuma e por isso, “o Sindicato vai defendê-los doa em quem doer”, disse Jorge.

Jorge explica ainda que, o produtor terá que colaborar com os órgãos sanitários e mostrar o que ele fez em sua propriedade, de onde é sua vacina e se ele está ou não nessas 25 propriedades embargadas, assim é que será possível conter o problema restrito a essas 25 propriedades.

O presidente do sindicato explica ainda, que participou de uma reunião ontem (21) com duração de 3 horas com INDEA e Ministério da Agricultura e ACRIMAT e o sindicato e o que aconteceu foi uma adulteração de uma nota fiscal, mas não existe problema sanitário, mas sim, uma adulteração de Nota Fiscal, por isso existe a dúvida do acondicionamento dessas vacinas, que ficaram fora do controle do INDEA, pois podem ser vacinas de sobra de outras campanhas, que ficaram depositadas em uma geladeira fora da loja, por isso ela é duvidosa, pois o INDEA não tem certeza se essas vacinas imunizam ou não.

Devido a essa situação, todo o gado terá que ser revacinado de forma assistida pelo INDEA.

Jorge tranquiliza os produtores e pede que colaborem, pois Juara há 20 anos não tem febre aftosa, todos os produtores são pessoas coerentes e responsáveis e o órgão do INDEA  é rigoroso e conseguiu perceber essas vacinas clandestinas, no sentido do acondicionamento, mas são de Laboratórios éticos e conceituados e por isso, o órgão não sabe se essas vacinas eram devoluções de outras propriedades, sobras de campanhas anteriores e acondicionados em geladeiras na casa do proprietário ou outros, se faltou ou não a devida refrigeração e as equipes de Cuiabá vão percorrer as propriedades.

Propriedades de Juara e outras cidades estão embargadas

O proprietário da loja foi chamado em Cuiabá para depor antes da reunião com sindicato acontecer e ele informou que essa vacina foi entregue em 25 propriedades e não somente em Juara, mas também em outros municípios.

Segundo proprietário da AGROVALE seriam o equivalente a 52.000 doses de vacinas vendidas para 25 propriedades.

Vacinação Assistida pelo INDEA

Diante de toda essa situação o presidente alerta, que o produtor não compre vacinas na intenção de tentar corrigir o problema, pois a vacinação deverá ser feita de maneira assistida, ou seja, com acompanhamento dos técnicos do Idea.

Se algum produtor ainda estiver aplicando a vacina, deve parar imediatamente, aconselha Mariano, pois ela não terá mais validade.

A campanha contra febre aftosa será prorrogada até dia 15 de junho para que essa situação seja acertada.

Preocupação

Jorge Mariano espera que este problema fique restrito a estas 25 propriedades informadas pelo comerciante, e se não conseguirem detectar essas 52.000 doses distribuídas em 25 propriedades, as propriedades atendidas pela AGROVALE, que todo somam 355, já estão bloqueadas pelo INDEA para comercialização do gado, pode complicar ainda mais.

Existem os casos onde os produtores não compraram todas as vacinas somente na AGROVALE, mas como o INDEA não tem como saber aonde foi aplicado, será considerado o rebanho vacinado de trezentos e duas mil cabeças que precisa ser passado pelo crivo do INDEA, explicou.

Nessa etapa 302 mil cabeças foram vacinadas de 355 propriedades, mas com vacinas compradas na AGROVALE, somam 240 mil doses para as propriedades.

Esta ocorrência pode atingir todo o Brasil e, portanto, por segurança, todo rebanho será revacinado.

LEIA NOTA:

COMUNICADO INDEA

Em relação à ação de fiscalização no comércio de vacinas em Juara-MT, o Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), esclarece que:

1) Em ação fiscalizatória de rotina realizada, em uma revenda de produtos veterinários do município de Juara - MT, constatou-se a comercialização de vacinas contra febre aftosa em desacordo com as normas estabelecidas, desencadeando as ações fiscalizatórias pertinentes ao fato.

2) Com o objetivo de salvaguardar a sanidade do rebanho e dar garantias aos produtores rurais, todas as propriedades que adquiriram a vacina na loja veterinária investigada foram preventivamente interditadas para o trânsito, até que as equipes do Indea verifiquem in loco quais deverão revacinar seus animais.

3) As bases do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa estão sustentadas no compartilhamento de responsabilidades entre os setores público e privado. No que se refere à vacinação, é de responsabilidade dos proprietários dos animais a aquisição e a aplicação da vacina contra a febre aftosa, cabendo ao serviço veterinário oficial supervisionar a qualidade da vacina, bem como fiscalizar, controlar e orientar as atividades de comercialização e de utilização do produto.

4) A produção e a distribuição da vacina são submetidas a um rigoroso controle de qualidade por parte do serviço veterinário oficial no Brasil, iniciado na fábrica e chegando até as revendas, por meio das fiscalizações nos estabelecimentos que comercializam os produtos, garantindo à comunidade que são produtos com qualidade e autenticidade e garantia de conservação. Compete à revenda de produtos veterinários o controle de estoque e a comercialização do produto, dentro das normas estabelecidas, sob supervisão do médico veterinário responsável técnico.

5) Ressaltamos ainda, tratar-se de um episódio pontual detectado pela eficiente controle do serviço oficial, não comprometendo a cobertura vacinal obtida pela massiva vacinação realizada pelo produtor ao longo dos anos e comprovada mediante estudos da eficiência da vacinação conduzidos pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Por fim, informamos que as ações estão sendo conduzidas pelo Indea e Superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso (SFA-MT) com apoio dos representantes dos produtores rurais.

 

 


Banner hospital quadrado

Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo