Juara (MT), 23 de outubro de 2017 - 21:36

? ºC Juara - MT

Mundo

21/09/2017 12:30

Irã diz que discurso dos EUA foi repulsivo

Em discurso na Assembleia-Geral da ONU nesta quarta-feira, o presidente do Irã, Hassan Rohani, disse que seu país responderá de maneira “decisiva e resoluta” ao eventual descumprimento do acordo pelos Estados Unidos. Segundo ele, a intensidade da resposta dependerá em parte da posição dos países europeus. Entre as possíveis reações, Rohani mencionou a possibilidade de expansão das atividades de enriquecimento de urânio, que são restringidas pelo acordo. Mas ressaltou que seu país nunca buscará a construção de bombas nucleares.

Federica Mogherini, representante da União Europeia responsável pela implementação do pacto. com o Irã, disse nesta quarta-feira em Nova York que, com inúmeras crises internacionais e diante da ameaça nuclear da Coreia do Norte, o mundo não pode abrir mão de um acordo de não-proliferação que está funcionando, como o negociado com Teerã em 2015.

O presidente iraniano classificou de “ignorante, absurdo e cheio de ódio” o discurso proferido por Trump na terça-feira na ONU. Sem mencionar o nome do dirigente americano nenhuma vez, ele disse que será uma “pena” se o acordo em torno do programa nuclear de seu país for “destruído por desonestos novatos no mundo da política”.

Enquanto Rouhani falava, sua conta no Twitter se encarregava de dissipar qualquer dúvida sobre seu alvo: “Palavras repulsivas e ignorantes foram ditas pelo presidente dos EUA contra a nação iraniana. Cheias de alegações odiosas & sem fundamento e impróprias para a #UNGA”, escreveu, usando a hashtag da Assembleia-Geral.

No dia anterior, Trump havia se referido ao governo de Teerã como uma “ditadura corrupta”, que exporta violência e terrorismo e fala abertamente em assassinatos em massa. Nesta quarta-feira, Trump disse a jornalistas que já decidiu o que fará em relação ao acordo, mas não revelou qual será sua posição. No dia 15 de outubro, seu governo tem de decidir se envia ao Congresso documento que certifica o cumprimento das obrigações pelo Irã. Mogherini disse que a responsabilidade pela certificação dos compromissos é da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Em seu oitavo relatório, apresentado na semana passada, a instituição concluiu que Teerã cumpriu até agora todos as suas obrigações.

Segundo Mogherini, o acordo foi aprovado pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e não pertence a um país ou a um grupo de países, mas à comunidade de nações representada na instituição. Mogherini deu as declarações depois de reunião de ministros das Relações Exteriores dos sete países que participaram da negociação: Irã, Estados Unidos, França, Inglaterra, China, Rússia e Alemanha, além da União Europeia.

“O acordo está sendo cumprido de maneira rigorosa por todos os seus participantes e produzindo os resultados desejados”, declarou Mogherini. Na terça-feira, o presidente americano, Donald Trump, indicou que poderá retirar seu país do pacto, ao qual se referiu como “embaraçoso” e um dos piores já negociados pelos EUA. Se isso ocorrer, Mogherini disse que a União Europeia manterá o acordo.

“Não há nenhuma violação”, declarou em entrevista na ONU depois da reunião de ministros, ressaltando que essa foi a conclusão de todos os participantes do encontro. A representante europeia disse que o escopo do acordo é o programa nuclear iraniano. Outras divergências entre os EUA e o Irã, como os conflitos na Síria e no Iêmen, devem ser tratados em outros fóruns, observou.


Banner hospital quadrado

Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo