Juara (MT), 14 de novembro de 2018 - 20:45

? ºC Juara - MT

Mundo

28/08/2018 07:54 Agencia Brasil

Possível exumação de ditador Franco gera polêmicas na Espanha

Depois de quatro décadas, a figura do ditador espanhol Francisco Franco retorna ao centro de um debate político e social na Espanha. O governo iniciou o processo jurídico para promover até o fim do ano a exumação dos restos mortais do general - que comandou o país de 1939 até 1975, quando morreu.Depois de quatro décadas, a figura do ditador espanhol Francisco Franco retorna ao centro de um debate político e social na Espanha. O governo iniciou o processo jurídico para promover até o fim do ano a exumação dos restos mortais do general - que comandou o país de 1939 até 1975, quando morreu.
A medida ainda depende de aprovação do Congresso espanhol.
Franco foi enterrado no Vale dos Caídos, um complexo monumental, a 50 quilômetros de Madri. A exumação faz parte de uma ação promovida pelo primeiro-ministro socialista Pedro Sánchez. Organizações não governamentais informam que é uma maneira de responder às vítimas da ditadura retirando os restos mortais do ditador de um local que é um monumento.
O decreto que modifica a Lei de Memória Histórica de 2007, que pretende evitar eventuais recursos que impeçam a exumação, foi alvo de fortes críticas por parte dos partidos mais conservadores.
O decreto-lei precisa ser revalidado pelo Congresso, onde o governo espera aprová-lo. Em 11 de maio de 2017, o Congresso ratificou uma resolução que solicitava ao Executivo - na época sob comando do conservador Mariano Rajoy - exumar os restos mortais do ditador, com 198 votos a favor e sem nenhum voto contra.
ResistênciaA família de Franco criticou a maneira escolhida pelo governo para realizar a exumação, pois alega que o processo passa “por cima da legalidade". A Fundação Nacional Francisco Franco também reagiu à iniciativa e classifica-a de "inconstitucional e uma fraude".
Pablo Casado, presidente do conservador Partido Popular, criticou a "irresponsabilidade" do governo porque, segundo ele, "reabre feridas superadas" na Espanha para "esconder sua incapacidade para governar".
Para Albert Rivera, líder do Ciudadanos, a prioridade do governo socialista "não pode ser a ossada de Franco", já que existem debates nacionais "mais importantes" como o avanço do independentismo na Catalunha.
RuasO debate sobre a exumação dos restos mortais do ditador também chegou às ruas. Desde que a remoção de sua ossada se transformou em uma possibilidade real, as visitas ao mausoléu aumentaram. Em julho, o número de visitas cresceu quase 50% na comparação com o mesmo mês de 2017.
Na polêmica, também entraram uma centena de militares da reserva e aposentados que publicaram um manifesto exaltando a figura militar de Franco.
A Guerra Civil (1936-1939) e ditadura de Franco são temas constantes de controvérsias na Espanha mesmo depois de 40 anos de regime democrático.
As manifestações favoráveis e contrárias ao ditador e sua projeção política por diversos grupos vão desde as reivindicações para que sejam encontrados os restos mortais de milhares de desaparecidos durante a ditadura a polêmicas sobre a manutenção de símbolos do regime militar que ainda persistem no país.
SímbolosO maior desses símbolos fica na serra, nas proximidades de Madri, e é marcado por uma enorme cruz. É o conjunto monumental do Vale dos Caídos, composto por uma basílica e um mausoléu aberto ao público em 1959. O Vale dos Caídos foi alvo de polêmica após a morte do ditador, mas não houve acordo no debate sobre o que deve ser feito com ele.
Construído entre 1940 e 1958 por presos republicanos que faziam trabalhos forçados, o Vale dos Caídos recebe os restos mortais de milhares de vítimas da Guerra Civil.


Banner hospital quadrado

Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo