Juara (MT), 08 de dezembro de 2019 - 04:33

? ºC Juara - MT

Saúde

03/08/2019 09:45 R7

Exame pode detectar Alzheimer 20 anos antes dos primeiros sinais

Um exame de sangue pode ajudar a detectar com até 94% de efetividade e com 20 anos de antecedência se uma pessoa desenvolverá o mal de Alzheimer.

Uma pesquisa da Escola de Medicina da Universidade de Washington em Saint Louis (WUSTL) divulgada nesta quinta-feira (1º) revelou que o cérebro começa a mostrar os danos causados pela proteína beta-amiloide, vital para o desenvolvimento do Alzheimer, até 20 anos antes do surgimento dos primeiros sintomas da doença.

 Segundo Randall Bateman, do centro de pesquisa para Alzheimer da WUSTL, é possível prever com alto percentual de certeza se uma pessoa terá a doença no futuro combinando os níveis de proteína no sangue com outros dois fatores de risco.

"Atualmente, para testes clínicos, examinamos as pessoas com scanners cerebrais. Isso consome muito tempo, é caro e leva anos para inscrever os participantes. Mas, com um exame de sangue, podemos potencialmente examinar milhares de pessoas em um mês", disse Bateman.

Os dois fatores de risco considerados no estudo, segundo o autor, são a idade e a presença da variante genética chamada apolipoproteína E4 (APOE4).

 Com a inscrição mais rápida dos participantes nos testes, o pesquisador explicou que será possível descobrir tratamentos para o Alzheimer mais rapidamente e diminuir os custos de tratar a doença.

Para detectar a presença da APOE4, Bateman utilizou a espectrometria de massas para medir com precisão as quantidades de duas formas de beta-amiloide que diminuem presença no sangue enquanto aumentam a presença no cérebro.

O estudo envolveu 158 adultos maiores de 50 anos, que tiveram seus sangues coletados para detectar a presença da beta-amiloide. Eles também passaram por uma tomografia cerebral e por um exame para detectar se possuíam a APOE4.

Ao combinar os resultados do exame de sangue com os outros fatores de risco, a análise obteve uma efetividade de 94% na deteção do Alzheimer, um índice maior que os obtidos por meio da tomografia.

"Um exame de sangue custa poucos dólares, enquanto uma tomografia chega a US$ 4 mil. Mas não era isso que nos preocupava. Eram os milhões de pacientes que estão sofrendo enquanto não temos um tratamento", disse Bateman.

O Alzheimer é uma doença degenerativa do sistema nervoso que leva a alterações progressivas da memória, do comportamento e da funcionalidade. Está relacionada ao envelhecimento, embora também esteja associada a fatores de risco como hipertensão, diabetes, colesterol elevado, sedentarismo, obesidade, baixa escolaridade e até mesmo isolamento social e sintomas depressivos, segundo o neurologista Rodrigo Schultz


Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo