Juara (MT), 09 de dezembro de 2019 - 06:00

? ºC Juara - MT

Saúde

30/11/2019 06:04 R7

De dor a tumor: as complicações causadas pelo dente do siso

Uma das principais complicações do dente do siso incluso é o surgimento de cistos e tumores, afirma o cirurgião bucomaxilofacial Daniel Falbo, coordenador da cirurgia bucomaxilofacial da ABO-SP (Associação Brasileira de Odontologia São Paulo). 

“Os dentes inclusos são aqueles que não possuem espaço para nascer e ficam dentro do osso”, explica.

O desenvolvimento de cistos e tumores ocorre por conta do saco pericoronário, que é uma espécie de capuz que envolve o dente e tem a função de estimular o seu crescimento.

Quando existe espaço para o siso nascer, esse capuz é expelido pelo corpo após a erupção do dente. “O saco pericoronário fica dentro do osso junto com o dente e por algum estímulo como inflamação ou trauma ele pode desenvolver o cisto ou tumor”, explica.

Saiba mais: Falta de higiene bucal pode causar até problema de coração

Os cistos dentígeros costumam acontecer entre a segunda e terceira década de vida dos pacientes, ou seja, no começo do desenvolvimento do terceiro molar. “O siso costuma nascer nas mulheres aos 16 anos e nos homens aos 18, com variação de dois ou três anos para mais”, afirma.

Já os tumores odontogênicos acontecem entre a quinta e sexta década de vida. “A cirurgia nesses casos é muito mais radical. Dependendo do caso é necessário reconstruir a mandíbula com enxerto. Apesar de não serem malignos, [o cisto e o tumor] são altamente destrutivos. O paciente não vai morrer, mas pode ter graves perdas estéticas e funcionais”, afirma.

Leia também: Dentista explica 'dentes de vampiro' de Simaria: 'Estavam desgastados'

Segundo Falbo, o dente do siso incluso também pode causar uma infecção quando tenta erupcionar mesmo sem espaço. A tentativa gera uma inflamação na gengiva e as bactérias da boca podem penetrar na região levando a uma infecção chamada pericoronarite.

“Apesar de rara, essa infecção pode levar até a morte se cair na corrente sanguínea e causar uma infecção generalizada”, explica.

Uma terceira complicação pode ser a fratura da face. Como o dente incluso causa uma cavidade no osso, essa região da mandíbula ou da maxila fica mais frágil. “Pacientes que praticam esporte de alto impacto podem ter fraturas que não teriam se não fosse o siso”, afirma. 

Cirurgia para retirada do siso

Complicações da cirurgia de retirada são raríssimas, normalmente cada dente é retirado em 20 minutos.

“O que pode acontecer é uma infecção devido às bactérias naturalmente presentes na boca, mesmo com toda a assepsia. O tratamento é feito com antibióticos”, explica.

Segundo o cirurgião, 5% dos pacientes com siso incluso possuem o nervo mandibular muito próximo ao dente.

“Essas pessoas correm o risco de perder a sensibilidade dos lábios e por isso optam por não fazer a cirurgia. Outro caso são os tabagistas, como é necessário ficar uma semana sem fumar no pós-operatório, muitos escolhem não retirar”, explica.

Saiba mais: Ansiedade e estresse podem ser prejudiciais para os seus dentes

As pessoas que possuem o dente incluso e optam por não fazer a cirurgia devem fazer um exame de raio-x anualmente para verificar possíveis complicações. Outras exigências do pós-operatório são restrição de atividades físicas por duas semanas e alimentação apenas com alimentos líquidos e pastosos na primeira semana.

Apesar de a recomendação ser retirar o siso quando ele está incluso, existem pessoas que não precisam passar pela cirurgia: são as que têm espaço para o dente nascer ou as que não possuem o siso.

Falbo explica que o terceiro molar costuma não ter espaço pois o tamanho da boca do ser humano diminuiu no processo evolutivo. “A nossa alimentação há alguns séculos era com alimentos muito mais duros, nós precisávamos dos 32 dentes. Conforme a alimentação mudou, o tamanho da boca diminuiu”, afirma.

Além do fator genético, o crescimento dos ossos depende da estimulação muscular. Com o passar dos anos começamos a trabalhar menos os músculos da face pois os alimentos ficaram mais moles com a industrialização. Falbo afirma que muitas pessoas não têm mais os terceiros molares, ou têm só dois ao invés de quatro.

“A teoria é que estamos no meio de um processo de evolução da morfologia, daqui um tempo não teremos mais siso”, explica.

Quem pode fazer clareamento? O cirurgião dentista Mario Sergio Giorgi, presidente da Câmara Técnica de Dentística do CROSP (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo), explica que não existe uma regra formal, mas o ideal é que o clareamento seja feito em maiores de 18 anos, isso por uma questão fisiológica. É preciso que os dentes permanentes estejam formados e, antes desta idade, é possível que o esmalte ainda não esteja totalmente maturado. "Isso não impede que o dentista avalie cada caso e decida, junto com o paciente e o responsável, se o tratamento é indicado ou não", diz o especialista.

O que é preciso fazer antes do clareamento? O kit clareador é um agente químico que vai promover clareamento onde tem mancha – para que se tenha um bom resultado, antes de começar é preciso fazer uma avaliação com um cirurgião dentista. Se o paciente tiver cárie ou outros problemas de saúde bucal, como gengivite, é preciso tratar para depois começar o clareamento. O cirurgião dentista Mario Sergio Giorgi explica que a boca precisa estar saudável. "O agente clareador não prejudica a saúde bucal, mas diante de um problema inflamatório, o produto pode causar danos. É preciso estar em perfeitas condições de saúde bucal".

Depois de fazer os tratamentos necessários e a limpeza, o dentista vai avaliar a cor e a estrutura dos dentes para determinar se é possível fazer um clareamento, qual o número de sessões necessárias e qual pode ser o resultado alcançado. Depois de uma ou duas sessões em consultório, o paciente pode seguir com o clareamento em casa, com o uso de moldeira e gel clareador. Restaurações não podem ser clareadas. Caso exista a necessidade de trocar a resina por uma mais clara, isso deve ser feito depois que o clareamento for finalizado.

Posso comprar um kit clareador e fazer o clareamento em casa sem ir em um dentista? Isso pode trazer sérios problemas. Os agentes clareadores são géis que foram pesquisados e testados e apresentam confiabilidade. Esses agentes só podem ser vendidos com receita assinada por um cirurgião dentista. Giorgi destaca os riscos de comprar um produto sem documentação científica e aprovação na Vigilância Sanitária. "Clarear dente não é como arear panela, que esfrega um produto e ela fica brilhando".

De acordo com o dentista, produtos piratas podem riscar o esmalte que protege o dente, Quando o dente é desgastado, não é possível recuperá-lo. Isso pode levar a uma sensibilidade muito grande, dor forte com alimentos e bebidas quentes ou frias. Além disso, existe o risco desses agentes causarem inflamações na boca ou, até mesmo, conterem produtos cancerígenos. "Esses produtos podem iniciar um processo de destruição do dente que pode se desenvolver a tal ponto que a única saída pode ser um tratamento de canal para retirar o nervo ou revestir o dente com facetas de cerâmica", alerta.


Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo