Juara (MT), 13 de dezembro de 2018 - 12:22

? ºC Juara - MT

Variedades

11/04/2018 17:07 O Globo

Gilmar ataca Bretas, critica Fachin e defende privada em cela de Lula

BRASÍLIA — No julgamento de habeas corpus apresentado pela defesa de Sérgio Cabral para que ele volte a ficar preso no Rio de Janeiro, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), voltou a acionar sua metralhadora giratória. Sobraram críticas para o juiz Marcelo Bretas, responsável pelo braço da Lava-Jato no Rio; para seu colega de corte, o ministro Edson Fachin; e para a "mídia opressiva". Ele também atacou quem critica o fato de haver um banheiro e uma privada na cela onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso em Curitiba.

— Há uma mídia assaz opressiva. Veja que o presidente Lula vai ter uma suíte, um banheiro. Gente, onde é que estamos com a cabeça?! O que nós estamos falando?! Aonde foi nossa sensibilidade?! Ah, "aborto é direitos humanos". Ter um banheiro, uma privada, onde é que nós estamos com a cabeça?! Um lado animalesco que está se manifestando em cada um de nós! É um tipo de perversão! Com vergonha que pessoas que foram alfabetizadas e tiveram três ou quatro refeições toda a vida se comportam desa maneira! Animalesca! São pervertidas! Talvez tenham outros problemas e aproveitam agora para fazer esse tipo de coisa. Isso não é correto. É preciso denunciar isso. Combater o crime sim! Punir sim! Mas respeite a dignidade da pessoa humana. Isso não pode ocorrer com o policial, muito menos com o juiz e o promotor — disse Gilmar, bastante exaltado.

A maior parte das críticas foi dirigida a Bretas. O ministro do STF destacou que o magistrado conseguiu um decisão judicial para receber auxílio moradia, mesmo sua esposa já tendo direito ao benefício.

— Houve a decisão (judicial autorizando auxílio moradia). A AGU (Advocacia-Geral da União) não apelou. Não houve recurso de ofício. Esse processo só foi descoberto... Estamos falando de gente que a toda hora está dando lição de moral. Foi descoberto porque um procurador mandou ofício para saber quem estava recebendo — disse Gilmar.

— Minha mãe já falecida, quando ia à missa, tinha um padre que falava mal do tamanho da saia das moças. Minha mãe dizia: esse deve ser o mais tarado. O moralismo esconde coisas cruéis — disse Toffoli.

Gilmar não mencionou o nome de Fachin, mas criticou quem decreta prisão de quem tem entre 80 e 90 anos. Foi Fachin quem relatou a ação penal que resultou na condenação do deputado afastado Paulo Maluf (PP-SP), de 86 anos. Ele não está mais na cadeia graças a uma decisão do ministro Dias Toffoli, que lhe concedeu o benefício da prisão domiciliar, em razão da idade e do estado de saúde.

— Quem fala em direitos humanos e decreta prisão de quem tem 80 e 90 anos, se existe céu e existe Deus, vai ter que ajustar as contas — afirmou Gilmar.


Banner hospital quadrado

Acesse Notícias

Em tempo record o site mais visitado do Vale do Arinos

Copyright 2016 - Todos os direitos reservados.

Redes Sociais

Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo