baner topo1
Juara – Mato Grosso
Quarta-Feira, 20 de Janeiro de 2021

91 milhões deixaram de pagar pelo menos uma conta em abril

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Sem trabalhar há 40 dias, a biomédica Renata Dias acumula contas atrasadas do período: aluguel, telefone, cartão de crédito, a mensalidade da escola da filha, de 17 anos, e a sua faculdade. Ela tem um negócio na área de estética na cidade de São Paulo e não sabe quando voltará ao trabalho. “Eu, no começo, fiquei revoltada com a paralisação da economia. Mas, há um mês, meu tio de 69 anos foi dirigindo até o hospital e morreu, três dias depois, sozinho, com a covid-19. Não tenho mais coragem nem de sair no portão de casa”, afirma.

Com pouco mais de um mês de isolamento social, não é só Renata que viu as despesas se acumularem, sem pagamento. Pesquisa do instituto Locomotiva, obtida com exclusividade pelo Estado, aponta que 91 milhões de brasileiros – o equivalente a 58% da população adulta do País – deixaram de pagar neste mês pelo menos uma das contas referentes ao consumo de março. Como comparação, no mês anterior, antes dos impactos da quarentena, eram 59 milhões (37%) com contas atrasadas – houve, portanto, um salto de 54% no período.

“A covid19 chegou na reta final de uma crise econômica e encontrou uma população sem poupança”, afirma o presidente da Locomotiva, Renato Meirelles, explicando que o brasileiro não pagou as contas porque, na falta de uma reserva financeira, o dinheiro acabou. Segundo a Anbima, a associação das empresas do mercado financeiro, só 10% dos brasileiros conseguiram guardar algum dinheiro ao longo do ano passado. “Quanto menor a renda, maior o endividamento relacionado a contas mais simples, como água, luz, aluguel ou carnês. Nas classes A e B, os destaques ficam para o cartão de crédito e mensalidades escolares”, diz Meirelles.

De acordo com a pesquisa, cada brasileiro, em média, deixou de pagar quatro contas, sendo que as consideradas não essenciais estão entre as mais frequentes, como carnês ou crediários de lojas (renegadas por 46% dos entrevistados) e empréstimos com instituições financeiras (descartados por 36%).

3 PERGUNTAS PARA…

George Salles, professor de finanças do Ibmec

1. O que vai acontecer com o endividamento das famílias no Brasil?

O endividamento das famílias vai explodir. Ele já era alto, a gente já tinha 70% das famílias endividadas, eram 63 milhões de inadimplentes, num universo de 210 milhões de pessoas. Agora, isso vai crescer muito, como se vê nessa pesquisa (da Locomotiva). A administração desse passivo vai depender das iniciativas dos governos estaduais e federal, de como vão negociar com a população agora e depois.

2.O que mais o preocupa nesse quadro de contas atrasadas?

O que chama a atenção é o alto endividamento dos alugueis. É geralmente uma dívida que não aparece nas pesquisas, é baixa a inadimplência. Mas a alta observada nessa inadimplência é um sinal de que as pessoas estão esperando uma negociação depois. E que acreditam que não serão despejadas de suas casas. Que juiz aceitaria o despejo de uma família atualmente? Eu não acredito.

3. Por que dívidas mais caras, como cartão de crédito, estão no topo das contras deixadas para depois?

Tem o fato de que algumas pessoas não sabem o impacto que é deixar uma dívida no cartão. Outra coisa é que o brasileiro está deixando de pagar primeiro aquilo que afeta menos, o que mostra que o brasileiro está escolhendo o que vai pagar e o que não vai. Ele paga primeiro aquilo que precisa mais, como o convênio médico e a conta de gás, para poder comer.

Fonte: TERRA NOTICIAS

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️