A difícil missão do Flamengo de encontrar um novo técnico

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Há alguns dias um dos principais assuntos da editoria de futebol, nos mais diversos veículos, é a saída de Jorge Jesus do comando do Flamengo. Como o clube vai “sobreviver”? Quem poderá substituir o técnico? Em quem o Flamengo deve investir? Um brasileiro terá condições de manter o padrão de jogo do português? É falta de assunto, a importância é devida, ou ambos?

Fico com a última opção. O futebol brasileiro está ainda caminhando devagar, nessa época de pandemia, e nessa quarta-feira (22) teremos a volta dos campeonatos Paulista e Gaúcho; o Mineiro, só no fim de semana; e o Carioca já até acabou, com o Flamengo do Mister Jesus campeão. Isso para falarmos dos quatro mais importantes do país. As competições nacionais, como Brasileirão e Copa do Brasil, só a partir de agosto. Junto a isso, não há como negar que a passagem do técnico por aqui provocou um rebuliço, uma onda de discussões sobre táticas, de questionamentos aos treinadores brasileiros e de comemorações do torcedor rubro-negro, pois Jorge Jesus, se perdeu apenas quatro vezes, conquistou seis taças para o Flamengo.

É justo que se fale da saída dele, mas não a ponto de dizer que o Flamengo não irá resistir a ela. E que já não será o mesmo, nas próximas competições. É evidente que algo vai mudar. Qualquer que seja o técnico a ser contratado, ele não terá o mesmo comportamento do Mister, ou a visão de jogo, ou a escolha dos titulares. A saída do zagueiro Pablo Mari, por exemplo, de repercussão bem menor, já provocou mudanças no esquema de jogo do Flamengo. Por que o mesmo não aconteceria com a saída do “comandante”?

Mas não precisamos ir muito longe para lembrar que o Flamengo já perdeu seu maior ídolo da história, Zico, e sobreviveu. Sofreu um pouco, mas se ajustou. E isso numa época em que a estrutura não era a atual, nem a esportiva, muito menos a administrativa. E vamos considerar, também, que tirar o principal jogador de um time é bem pior do que perder um técnico.

A missão do Flamengo para substituir seu treinador não é das mais fáceis.  Para trazer um outro técnico estrangeiro – que considero o ideal e que os dirigentes devem estar considerando com mais atenção – há um desafio extra: o de convencer o profissional a vir para o Brasil, em tempos de pandemia. Creio que essa seja a maior dificuldade, porque não vejo como não se motivar diante do desafio de manter o alto padrão de resultados do Flamengo e do retorno que as vitórias dão ao currículo do treinador escolhido.

E se esse escolhido for um brasileiro? Que desafio, muito maior! Além da necessidade de repetir ou, até mesmo, melhorar os resultados de Jesus, ainda vai enfrentar a desconfiança do torcedor, que movido por paixão não terá a mesma paciência para aceitar tropeços de um time tão vitorioso. Por isso aposto que, no momento, o Flamengo vai buscar um novo técnico estrangeiro.

Outro português? Jesus, quando veio, não era muito conhecido por aqui, e na Europa, mesmo, nunca trabalhou em uma grande equipe fora de Portugal. No entanto, deu certo. Outro dará? Afinal, as equipes portuguesas brilharam nos anos 60, mas, até por questões financeiras, está há quase dez anos sem uma conquista internacional de relevância. Pode ser um argentino, ou qualquer outro sul-americano? Espanhol?

Agora é ter paciência para aguardar, e sabedoria para resolver esse desafio. Que não é fácil, mas de forma alguma, impeditivo para o Flamengo voltar a ter um ano de vitórias.

Por Sergio du Bocage, apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

Fonte: AgenciaBrasil

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Acesse Notícias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️