baner topo1
Juara – Mato Grosso
Domingo, 25 de Julho de 2021

Adubos ficam de fora do Convênio 100

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Agrolink

Muito aguardada pelo setor a prorrogação do Convênio 100 foi confirmada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) na última sexta-feira (12). A medida mantém inalteradas as alíquotas de ICMS para comercialização de insumos agropecuários até 31 de dezembro de 2025.

A exceção foram os fertilizantes que ficaram de fora e devem ser taxados. O item é o que tem maior peso no custo de produção e deve ser majorado em 1% ao ano, a partir de 2022, chegando a 4% até o final desse período.

Também foi prorrogado o convênio 52 que dispõe sobre a redução da cobrança de ICMS sobre máquinas e equipamentos agrícolas. O convênio 100 de 1997 concedia descontos de 30% na base de cálculo do ICMS para fertilizantes e rações e de 60% para defensivos e sementes nas operações interestaduais.

A medida era muito esperada pelo agronegócio que chegou a fazer campanhas para que o incentivo fosse prorrogado. Em nota a Aprosoja Brasil disse que “é de extrema importância para a competitividade da produção rural brasileira, a manutenção da atividade econômica e a geração de empregos”.

Parlamentares da bancada ruralista criticaram a medida que deve gerar um custo de R$ 4 bilhões ao setor. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) também não aprovou. “Essa decisão não atendeu o que a CNA esperava dessa reunião, que era a prorrogação total. Mas não foi possível”, afirma o superintendente técnico, Bruno Lucchi.

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) também se posicionou. “Estamos reavaliando como prosseguir, a fim de buscar meios de contornar o impacto da tributação desse importante insumo”, afirma Fábio de Salles Meirelles, presidente da entidade.

Fonte: Agrolink

Com muito ❤ por go7.site