Após 70 anos do início de guerra, Coreias não veem tratado à vista

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Setenta anos depois de a Guerra da Coreia começar, as perspectivas de um tratado de paz para encerrar oficialmente o conflito parecem distantes como sempre, e as duas Coreias realizaram comemorações discretas em um momento de tensão acentuada na península.

Leia mais: Coreia do Sul faz apelo à Coreia do Norte para manter acordos de paz

A guerra de 1950-1953 terminou com um armistício, não um tratado de paz, o que deixou as forças da ONU (Organização das Nações Unidas) lideradas pelos Estados Unidos tecnicamente ainda em guerra com a Coreia do Norte.

Em 1953, líderes sul-coreanos se opuseram à ideia de uma trégua e não assinaram o armistício, o que deixou a península dividida.

Bandeira de unificação perto da zona desmilitarizada

Bandeira de unificação perto da zona desmilitarizada

Reuters – Arquivo

Em meio a um novo acirramento das tensões, veteranos da Coreia do Sul se reuniram para comemorar o aniversário, o que inclui um evento no qual o presidente dos EUA, Donald Trump, e outros líderes internacionais devem enviar mensagens de vídeo.

Leia também: Por que a tensão na fronteira entre Coreia do Norte e Sul explodiu

Muitos dos veteranos que se reuniram na cidade fronteiriça sul-coreana de Cheorwon disseram que torcem por relações mais pacíficas com a Coreia do Norte, mas que não estão otimistas, dizendo que as políticas de Pyongyang não mudaram.

A guerra nunca acabou

“A guerra não terminou de verdade, e não acho que a paz virá enquanto ainda estou vivo”, disse Kim Yeong-ho, de 89 anos. “Os pesadelos continuam me voltando todos os dias. (A Coreia do Norte) não mudou nada.”

O jornal do partido governista norte-coreano publicou na primeira página um comentário pedindo que as pessoas sigam o exemplo daqueles que lutaram para defender a nação.

“Várias décadas se passaram, mas o perigo da guerra nunca deixou este solo”, disse o jornal, culpando “forças hostis” por quererem massacrar a Coreia do Norte.

Dois anos atrás, uma série de acenos diplomáticos e cúpulas entre o líder norte-coreano, Kim Jong Un, e os presidentes de EUA, Coreia do Sul e China despertaram a esperança de que, apesar de o arsenal nuclear de Pyongyang não ter diminuído, as partes poderiam concordar em encerrar a guerra oficialmente.

Explosão de um caça-minas da República da Coreia

Explosão de um caça-minas da República da Coreia

Reuters – Arquivo

Mas esta esperança desapareceu quando a Coreia do Norte acusou EUA e Coreia do Sul de se aterem a políticas hostis e devido à pressão de Washington para que Pyongyang abdique de seu arsenal crescente de armas nucleares e mísseis de longo alcance.

Na quarta-feira (24), a Coreia do Norte disse que decidiu suspender os planos para uma ação militar não especificada contra sua vizinha do sul, mas a alertou a “pensar e se comportar sabiamente”.

Neste mês, a relação amigável entre Coreia do Norte e Coreia do Sul foi por água abaixo. Tudo começou quando desertores norte-coreanos que vivem na parte sul da fronteira soltaram balões com propaganda anti-Coreia do Norte e pendrives com filmes, séries, música, programas de TV e notícias sul-coreanos, que passaram da divisa entre os dois países e entraram no território de Kim Jong-un .

Os balões sempre existiram, mas dessa vez irritaram ainda mais profundamente as autoridades norte-coreanas, que prometeram retaliar Seul, que, por sua vez, disse que ia tentar controlar os ativistas anti-Coreia do Norte.

Apesar das promessas da primeira vez que os balões foram soltos, os desertores conseguiram soltar na terça-feira (22) novos balões. Um deles ficou preso em Hongcheon, na Coreia do Sul.

Na semana passada, a Coreia do Norte derrubou o escritório de comunicação com a Coreia do Sul, que estava vazio por conta da pandemia. Essa foi uma das ameaças feitas pela irmã de Kim Jong-un, que está sumido desde os boatos de que estava doente.

Fonte: R7

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️