baner topo1
Juara – Mato Grosso
Sexta-Feira, 30 de Outubro de 2020

Boxing for you: brasileiros confirmam e fazem projetos para 2020

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Dois dos maiores nomes do boxe olímpico brasileiro nos últimos ciclos foram estrelas da oitava edição, a primeira do ano, do Boxing for You de 2020, nesse final de semana em São Paulo. Esquiva Falcão, o primeiro pugilista nacional a conquistar uma prata em Jogos Olímpicos, na edição de Londres 2012, na categoria peso médio (até 75 kg), venceu por nocaute o argentino Jorge Daniel Miranda por nocaute técnico no início do quinto round. Miranda desistiu da luta depois de ser castigado pelo brasileiro.

Comemorando essa que foi a vigésima sexta vitória em 26 lutas na carreira, Esquiva deixou um recado para a equipe que vai buscar as vagas nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Pré-Olímpico das Américas (veja a lista completa abaixo), entre os dias 26 de março e 3 de abril, em Buenos Aires, na Argentina. ” Temos vários nomes excelentes. Todos precisam confiar em si mesmos. Nunca desistir. O próprio Robson Conceição foi a duas olimpíadas sem sucesso. E na terceira foi ouro. Eu mesmo saí da comunidade humilde e fui medalhista olímpico e hoje sou um dos nomes fortes do Brasil para conquistar um cinturão de campeão mundial no boxe profissional”, lembrou o capixaba, que está na quinta colocação no ranking do Conselho Mundial de Boxe.

Em Buenos Aires, estarão em jogo, em todas as categorias olímpicas, 33 vagas no masculino e 16 no feminino. Após o Pré-Olímpico das Américas, haverá ainda uma última possibilidade de qualificação para Tóquio. Será no Pré-Olímpico mundial, entre os dias 13 e 20 de maio, em Paris, na França.

Desde 2012, além da medalha do próprio Esquiva, o Brasil conquistou mais três medalhas (Yamaguchi Falcão – bronze nos 81 kg – e Adriana Araújo – bronze nos 60 kg -, em Londres, e o ouro de Robson Conceição nos 60 kg, no Rio de Janeiro, em 2016).

Questionado sobre o futuro no boxe profissional, Esquiva Falcão deixou no ar a possibilidade de a luta pelo título mundial acontecer já no mês de abril. ” Ouvi alguns boatos, mas sem a confirmação oficial, de que, vencendo o combate aqui em São Paulo, a minha próxima luta seria pelo cinturão mundial. Mas, estou tranquilo. Prefiro fazer o meu trabalho, vencer as lutas e aguardar o momento certo. Ainda feliz com o décimo sétimo nocaute da sua trajetória, ele também relevou o desejo de conversar com o empresário Bob Arum (dono da empresa Top Rank). “Só preciso de uma oportunidade. Ele sabe que se eu lutar contra qualquer um do meu peso (até 73 quilos – peso médio), vou ganhar. Mas, se eu pudesse escolher, gostaria que fosse o cinturão do Conselho Mundial de Boxe, a mesma organização pela qual o Éder Jofre e o Miguel de Oliveira foram campeões”. No momento, o adversário do brasileiro seria o norte-americano Jermall Charlo, invicto depois de 30 lutas, com 22 nocautes.

Campeã mundial Silver

Depois de superar por pontos a venezuelana Estheliz Fernandez e manter o cinturão mundial silver da categoria superleve (até 63,5 kg), do Conselho Mundial de Boxe, Adriana Araújo, que se manteve também invicta no boxe profissional ( são seis vitórias ), também falou sobre as lutadoras que irão buscar as vagas nos jogos de Tóquio, principalmente sobre a campeã mundial de 2019, Bia Ferreira (ouro no Mundial da Rússia na categoria “até 60 quilos”, a mesma da Adriana, durante a trajetória olímpica da lutadora). “A Bia já tinha os olhos vidrados para o boxe desde pequena, quando o pai a levava para treinar com a gente na academia lá em Salvador. A oportunidade de ela ter treinado comigo na seleção, com certeza, abriu a mente dela. Fico feliz porque a Bia está seguindo os mesmos passos. Digo que ela está honrando a categoria”, afirma.

A boxeadora baiana lembra que muita coisa mudou desde o seu tempo de amadora. “Na minha época, a Confederação Brasileira de Boxe [CBBoxe] não podia sequer pagar nossas passagens, pois o boxe feminino não era olímpico. Só a partir de 2010, quando [a modalidade] foi introduzida no programa olímpico. Antes, disputei Pan-americano e Mundial por conta própria, tendo que me preocupar com treinamento, passagem, passagem de treinador, hospedagem, pagamento do torneio. As meninas de hoje entenderam o chamado. Que se uma pode ser campeã, a outra também pode. Teve a Roseli Feitosa [primeira brasileira campeã mundial pela Aiba] em 2010, agora a Beatriz dando continuidade. Fico feliz que elas estão tendo essa estrutura e fazendo por onde”, acrescenta.

Questionada sobre o seu futuro, ela disse que já sabe o que vai fazer nas próximas semanas. ” Descansar. Quero recuperar um pouco o meu corpo e curtir essa vitória contra uma adversária forte, que veio também do boxe olímpico. E só daqui a um tempo quero pensar na próxima luta. Claro que gostaria que o próximo combate fosse pelo título mundial, mas vou conversar sobre isso com os meus empresários só nos próximos meses”.

Convocados para o Pré-Olímpico

Feminino

51 kg – Graziele de Jesus
57 kg – Jucielen Romeu
60 kg – Bia Ferreira
69 kg – Beatriz Soares
75 kg – Flávia Figueiredo

Masculino

52 kg – Luiz Oliveira
57 kg – Carlos Rocha
63 kg – Wanderson Oliveira
69 kg – Luiz Fernando
75 kg – Herbert Conceição
81 kg – Keno Machado
91 kg – Abner Machado
+ 91 kg – Joel Silva

Fonte: Agencia Brasil

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️