baner topo1
Juara – Mato Grosso
Quarta-Feira, 04 de Agosto de 2021

Brasil finaliza argumentos contra proposta saudita de redução de prazo de validade da carne de frango

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Avisite

Desde meados de maio, a Arábia Saudita propôs à Organização Mundial do Comércio (OMC) a redução do prazo de validade (shelf time) da carne de frango importada, e os países afetados pela medida, incluindo o Brasil, têm até o início de julho para apresentar à Organização seus argumentos para impedir a alteração.

No dia 11 de maio, a companhia de frigoríficos BRF divulgou que o país saudita havia solicitado à OMC a redução do prazo de validade da carne de frango importada de um ano para três meses, estabelecendo prazo de 60 dias a partir da notificação para que os países afetados apresentassem seus argumentos à Organização. A notícia veio poucos dias após a Arábia Saudita suspender a habilitação de 11 frigoríficos brasileiros que exportavam a proteína avícola para o país.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores (MRE), além das gestões bilaterais realizadas pelo Embaixada do Brasil em Riade junto às autoridades locais, o tema será discutido multilateralmente na OMC. “Na próxima reunião do Comitê SPS da OMC, que ocorrerá de 14 a 16 de julho próximo, o Brasil apresentará preocupação comercial específica (STC, na sigla em inglês) contra as suspensões sauditas de frigoríficos brasileiros”, informou o Itamaraty, em nota.

O Ministério apontou ainda que os comentários técnicos à notificação da Arábia Saudita estão sendo finalizados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e serão apresentados à Organização dentro do prazo estabelecido na notificação. “Além disso, o Brasil vem-se coordenando com outros países potencialmente afetados pela medida”, pontuou o MRE, em nota.

Segundo o Itamaraty, “é preocupante a proposta saudita de redução dos prazos de validade para carne de frango, sobretudo diante dos potenciais efeitos negativos para nossas exportações. Na perspectiva brasileira, a referida medida não está em consonância com o sistema multilateral de comércio, especialmente no que diz respeito aos Acordos SPS e TBT da OMC”

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal )ABPA), Ricardo Santin, a entidade está subsidiando o MAPA com informações sobre a avicultura brasileira e exportações, e também o Conselho Mundial de Avicultura (IPC, na sigla em inglês).

Para Santin, a proposta saudita de reduzir o tempo de prateleira da carne de frango importada não fecha o mercado para o Brasil, “mas torna muito difícil” por questões logísticas.

Fonte: AviSite

Com muito ❤ por go7.site