Brasileiro Feminino volta com reforços e times afetados pela pandemia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Quando o apito soar no gramado da Vila Belmiro, às 14h (horário de Brasília) desta quarta-feira (26), dando início à partida entre Santos e Audax, chegará ao fim uma espera de 164 dias, ou cinco meses e meio, pela volta da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. A competição foi interrompida em 15 de março, durante a quinta rodada, em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Como a doença ainda não está controlada no território nacional, o retorno do torneio terá de ser realizado sem a presença de público e sob rigoroso protocolo sanitário, com várias diretrizes para os jogos. Entre as normas estão o acesso restrito a campo e vestiários; a realização de exames da covid-19 custeados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF); aferição da temperatura na chegada ao estádio, de todas as pessoas envolvidas na realização do jogo; o uso frequente de máscaras (com exceção dos atletas em campo); e a higienização com álcool em gel.

Os procedimentos são os mesmos adotados no Brasileirão masculino, incluindo as mudanças feitas após a primeira rodada da Série A, como testagem de todo o elenco 72 horas antes da partida, e entrega dos resultados dos testes à CBF até 24 horas antes do jogo pelo time mandante, e até 12 horas antes da viagem, no caso do visitante. “À princípio, vamos seguir o mesmo protocolo. À medida que as rodadas forem ocorrendo e os resultados aparecendo, ai sim, a gente vai verificar a necessidade ou não de mudança de programas de testagem”, diz à Agência Brasil Jorge Pagura, o coordenador médico da entidade.

Além do jogo na Vila, outras duas partidas movimentam esta quarta (26) pela quinta rodada do Brasileiro feminino. Às 15h30, o Internacional recebe o Flamengo no Sesc Campestre. Já às 19h30, Corinthians e Ferroviária reeditam a final do ano passado no Parque São Jorge. A sexta rodada tem inicio no sábado (29) e vai até segunda-feira (31), com os seguintes duelos:

Sábado (29)

14h – Cruzeiro x Grêmio (Mineirão)

15h – Ponte Preta x Palmeiras (Moisés Lucarelli)

20h30 – Vitória x Iranduba (Barradão)

Domingo (30)

14h – São Paulo x Minas Icesp (CFA de Cotia)

15h – Avaí/Kindermann x Santos (Carlos Alberto Costa Neves)

15h – Ferroviária x Internacional (Fonte Luminosa)

15h – Audax x São José (José Liberatti)

Segunda-feira (31)

19h – Flamengo x Corinthians (a definir)

Caras novas

A pandemia da covid-19 impactou as equipes do Brasileiro Feminino de forma diversa. Santos e São Paulo, por exemplo, voltaram aos treinos com o mesmo grupo de antes da paralisação. Se por um lado o Palmeiras perdeu Bia Zaneratto, atacante da seleção brasileira, que estava emprestada pelo Wuhan Xinjiyuan (China), por outro se reforçou com atletas que atuavam no exterior: a zagueira Janaína Queiroz, ex-Braga (Portugal) e a meio-campista Camilinha, ex-Orlando Pride (Estados Unidos). Esta última, também jogadora da seleção verde e amarela.

“Saí do Brasil tem quatro anos, para jogar no Orlando e, desde minha chegada, vejo grandes mudanças [de estrutura no futebol feminino]. No Palmeiras, isso é nítido. Acho que a gente, que está vindo de fora, pode somar e trazer uma experiência grande”, destacou Camilinha, em entrevista coletiva.

Ex-clube da meia no Brasil, o Corinthians também foi atrás de novidades durante a paralisação, acertando o retorno da lateral Yasmin, que estava no Benfica (Portugal). A lateral Daiane, que também estava no clube português, assinou com a Ferroviária, atual campeã e líder da competição nacional. A experiente jogadora, de 34 anos, foi capitã do time grená nos títulos da Copa do Brasil e do Brasileiro, em 2014, e da Libertadores, em 2015.

No Internacional, o reforço veio dos Emirados Árabes: a atacante Rafa Travalão, de 32 anos, que defendia o Abu Dhabi SC. Já o Flamengo foi outro a apostar na experiência ao trazer a zagueira Cida, de 34 anos. Ao mesmo tempo, promoveu quatro jovens da equipe sub-18. O Rubro-Negro carioca também teve mudança no comando, pois o técnico Ricardo Abrantes assumiu a coordenação estratégica das modalidades de alto rendimento da Marinha, que é a parceira do clube no futebol. O substituto é Celso Silva, que era auxiliar de Ricardo desde 2015.

Realidades distintas

Se algumas equipes fizeram ajustes pontuais, o Audax, da cidade de Osasco (SP), teve que ir ao mercado para repor perdas da pandemia. A equipe iniciou o Brasileiro com um elenco jovem, formado com apoio de uma parceria com o Instituto Tiger, que fomenta o futebol feminino na comunidade de Heliópolis, na zona sul da capital paulista. Mas, segundo o técnico Wagner de Oliveira, a preocupação com a covid-19 levou muitos pais a tirarem as meninas menores de 18 anos do projeto. O jeito foi trazer seis caras novas – quatro delas, inclusive, já devem estrear hoje (26) diante do Santos.

“Voltamos a treinar mais forte na semana passada. Mas o retorno, quando se começa a trabalhar com intensidade, demora. O time estava se entendendo, encaixando. Todas as equipes perderam com a pandemia, mas o Audax certamente perdeu mais que todo mundo, por ser uma equipe nova. Será um jogo difícil contra o Santos. Teremos que ter paciência, cobrar só o que for necessário, fazer um trabalho de formiguinha para não lesionar as atletas e buscar sempre melhorar”, descreve Oliveira à Agência Brasil.

O caso mais delicado é o do Iranduba. A equipe de Manaus afirma que a patrocinadora master, a empresa britânica VeganNation, não cumpriu o contrato firmado no fim de 2018 e que o caso está na Justiça. O clube receberia por meio de moedas virtuais, que entrariam no mercado em 2019 e seriam trocadas por dinheiro – o que não aconteceu. O time, inclusive, faz uma campanha online de financiamento coletivo para ajudar a pagar as despesas com o grupo. Até o momento, foram arrecadados cerca de R$ 4,9 mil.

Com a crise financeira, o Iranduba perdeu quase todas as jogadores do elenco e corre risco de não conseguir entrar em campo no próximo sábado (29), contra o Vitória. “Hoje, 24 de agosto [dia da entrevista], o Iranduba não tem time. Estamos em busca de atletas para jogarmos no fim de semana. O tempo é curto. Estamos fazendo algumas consultas”, reconhece o diretor Lauro Tentartini à Agência Brasil. A equipe tem até sexta-feira (28) para regularizar as novas jogadora junto à CBF.

Confira AQUI a classificação da Série A1 do Brasileiro Feminino.

Fonte: agencia brasil

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Acesse Notícias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️