baner topo1
Juara – Mato Grosso
Sábado, 16 de Janeiro de 2021

Casos de “doença do beijo” aumentam depois do Carnaval

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Carnaval e blocos de rua costumam atrair um público que, além da música, busca também beijar na boca.

É nesta época que aumenta a incidência da chamada ‘doença do beijo’ e de outras infecções transmissíveis pela saliva, afirma a infectologista Raquel Muarrek.

A mononucleose, uma contaminação viral, é conhecida como doença do beijo por ser transmitida pela saliva. Raquel lembra que compartilhamento de copos e talheres também pode transmitir a doença.

A doença causa dor de garganta, fadiga, cansaço, febre, perda de peso e aumento dos gânglios linfáticos. É causada pelo vírus Epstein-Barr. O tratamento consiste em hidratação e repouso.

“A gente recomenda que não compartilhe copo e não beije. A pessoa pode ficar até um ano transmitindo a doença”, afirma a médica.

Saiba mais: Não há preocupação de coronavírus no Carnaval, diz governo

Outra doença transmissível pela saliva é o citomegalovírus, que possui quadro clínico muito parecido, com a diferença de não apresentar dor de garganta e ter um quadro de febre prolongado.

Segundo o Manual Merck de Diagnóstico e Tratamento, o vírus fica hospedado no corpo do por toda a vida e os sintomas podem reaparecer com queda da imunidade.

Herpes

Outro vírus que permanece no corpo após a contaminação é o da herpes. “O tipo 1 é que podemos pegar pela boca.”, afirma Raquel.

A transmissão pode acontecer mesmo quando as lesões características da doença não estão aparentes, de acordo com o Manual Merck.

A infectologista explica que a pessoa que foi contaminada pode levar até sete dias para apresentar a primeira infecção e até 30 dias para apresentar virologia positiva no exame de sangue.

Segundo Raquel, apenas 15% dos contaminados apresentam herpes recorrente — o restante das pessoas só vai apresentar sintomas quando a imunidade estiver baixa.

Sífilis

Apesar de a transmissão pelo beijo ser incomum, aumentam os registros de casos de sífilis após o Carnaval. A bactéria também pode ser transmitida por sexo oral.

Diferente das outras, virais, esta doença é causada por uma bactéria, Treponema pallidum. Ela é dividida em três estágios.

“No primário, o sintoma é a ferida na região genital. Apesar de incomum, já vi na boca também”, afirma.

A sífilis secundária apresenta manchas na pele e na mucosa da boca e pode apresentar febre. No terciário pode levar à meningite ou miocardite. O tratamento é feito com antibióticos (injeções de penincilina).

Veja mais: Pode ser que você esteja usando desodorante da maneira errada

Caxumba

Por último, Raquel lembra da caxumba. “Apesar de ser uma doença com vacina, tivemos um surto em 2018 e 2019. Por isso é importante manter a carteira vacinal em dia”, afirma.

A doença pode ficar até 25 dias incubada e começar a ser transmitida até sete dias antes dos primeiros sintomas. O mais conhecido é o inchaço na região do pescoço, mas também apresenta cansaço e febre.

“É uma doença grave, pode levar a orquite [aumento da bolsa escrotal], pancreatite, meningite e até perda auditiva e da visão, já que afeta a parte neurossensorial.”

É possível pegar herpes em copos e talheres? Sim. O dermatologista Caio Lamunier, do Hospital das Clínicas de São Paulo, explica que o compartilhamento imediato de copos, talheres e até de maquiagem com uma pessoa com a manifestação da herpes pode transmitir o vírus. Além disso, copos e talheres mal lavados, que foram utilizados durante a manifestação da doença, também podem conter o vírus, mas só são meios de transmissão se usados em sequência, por conta da sobrevivência do vírus fora do corpo.

O vírus da herpes está no ar? Não. O dermatologista afirma que o vírus da herpes, com exceção da herpes zóster, não sobrevive ao ar. O herpes comum, que afeta lábios, pele e genitais, só é transmissível por meio do contato.

A herpes só aparece nos lábios? Não. O vírus comum da herpes pode aparecer na pele, lábios e genitais, podendo afetar nervos de todo o corpo. O dermatologista afirma que as manifestações nos lábios e nos genitais são mais frequentes por se tratarem de peles mais finas. A herpes comum tem dois tipos. A tipo 1 afeta da cintura para cima. Já a herpes tipo 2 afeta da cintura para baixo, atingindo principalmente os órgãos genitais. Entretanto, o médico afirma que os tipos estão aparecendo em extremidades contrárias, devido ao contato com a parte afetada  .

Qual a diferença entre herpes comum e herpes zóster? O dermatologista afirma que a herpes zóster é o mesmo vírus da catapora e causa mais danos que a herpes comum. Enquanto o vírus da herpes simples pode afetar vários nervos em pontos diferentes, o da herpes zóster afetará só um nervo, tendo seu ataque totalmente concentrado nele — por isso se manifesta em uma faixa, percorrendo toda a área do nervo afetada —e podendo causar dor crônica naquele nervo.

Qual a melhor maneira de disfarçar uma herpes? Para Lamunier, a melhor maneira para diminuir o machucado é por meio de antivirais próprios. Entretanto, o médico recomenda que, para disfarçá-la a maquiagem pode ser utilizada desde que a aplicação seja feita com o dedo para que não contamine o produto e os pincéis. Segundo ele, uma mesma pessoa já com o vírus pode levar a herpes de um nervo para outro.

 

Fonte: R7

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️