Coronavírus e produção do Brasil pressionaram preços do café, diz OIC

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Base Aérea de Anápolis ,novo coronavírus,avaliações clínicas, coronavírus, covid-19, repatriados

O indicador composto de preços da Organização Internacional do Café (OIC) voltou a cair em fevereiro, para uma média de 102 centavos de dólar por libra-peso, uma redução de 4,6% na comparação com o mês anterior. De acordo com o relatório mensal da entidade divulgado nesta quarta-feira, (04/03), o preço diário do composto da OIC obteve a mínima de 97,73 centavos de dólar por libra-peso no dia 4 e a máxima de 106,34 centavos de dólar por libra-peso em 28 de fevereiro.

“Temores sobre o efeito que o Covid-19 pode ter sobre a demanda, principalmente para consumo fora de casa, e as amplas ofertas para o restante do ano, dado que a safra 2020/21 do Brasil está no ano de sua produção bienal de arábica, exerceram pressão descendente no mercado”, avaliou a instituição, que tem sede em Londres, citando suas expectativas para os impactos para a disseminação do coronavírus pelo mundo. “Embora exista café suficiente para atender aos níveis de demanda existentes, cresce a preocupação com a disponibilidade imediata de arábica de qualidade”, acrescentou.

De acordo com a OIC, houve uma tendência de queda semelhante nos preços de todos os indicadores do grupo em fevereiro, embora a tendência tenha sido relativamente mais acentuada no caso dos Naturais Brasileiros. Neste segmento, a baixa do preço foi de 7,3%, para 102,62 centavos de dólar por libra-peso, enquanto o de Outros Suaves caiu 4,7%, para 135,5 centavos de dólar por libra-peso e o de Suaves da Colômbia, 0,7%, para 146,43 centavos de dólar por libra-peso. “Como resultado, o diferencial entre os suaves colombianos e outros suaves aumentou em fevereiro, mais do que dobrando para 10,93 centavos de dólar por libra-peso”, comparou a Organização.

Já os preços dos robustas diminuíram 3,5% em fevereiro em relação ao mês anterior, para 68,07 centavos de dólar por libra-peso. O mercado futuro de arábica de Nova York cedeu 8,9%, para uma média de 106,69 centavos de dólar por libra-peso em fevereiro, enquanto o mercado futuro de Londres robusta declinou 3,3%, para 59,02 centavos de dólar por libra-peso. “Como resultado, o spread entre os cafés arábica e robusta, medido nos mercados futuros de Nova York e Londres, caiu para 47,67 centavos de dólar por libra-peso, a segunda redução mensal consecutiva”, observou a entidade no relatório.

Estoque

Os estoques de arábica certificada diminuíram 0,5% em janeiro em relação ao mês anterior, para 2,47 milhões de sacas, enquanto os de robusta aumentaram 4,6%, para 2,57 milhões de sacas. A volatilidade do indicador composto da OIC diminuiu 2,8 pontos porcentuais, para 7,8% nos últimos 12 meses.

No geral, a volatilidade de todos os indicadores caiu em fevereiro. Entre os indicadores do grupo arábica, o de Naturais Brasileiros caiu 3,3 pontos porcentuais, para 10,5%, o Outros Suaves recuou 3,1 pontos porcentuais, para 8%, e o de Suaves da Colômbia, 2,2 pontos porcentuais, para 8,5%. No caso dos robustas, a volatilidade dos indicadores do grupo foi de 6,8%, uma queda de 1,3 ponto porcentual em relação a janeiro.

Fonte: Revista Globo Rural

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️