baner topo1
Juara – Mato Grosso
Sábado, 31 de Outubro de 2020

Corte da Selic mantém competitividade no crédito rural, avaliam bancos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Representantes de instituições financeiras presentes no Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), avaliam que o novo corte da taxa Selic, anunciado nesta semana, ajuda pelo menos a manter um ambiente competitivo para o crédito rural. Mas ressaltam que a definição das condições dos financiamentos daqui para frente ainda dependerá de fatores como o comportamento das taxas de longo prazo.

Na última quarta-feira (5/2), o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom/BC) cortou a taxa básica de juros em 0,25 ponto porcentual, deixando a Selic em 4,25% ao ano. O atual ciclo de redução dos juros tem sido comemorado por representações do agronegócio, para quem essa condição está de acordo com a realidade do mercado e pode baratear mais os financiamentos para o produtor.

“Temos que falar com os bancos, que estão tomando dinheiro a 4%, a 4,5% e conseguem emprestar dinheiro a juros tão competitivos quanto o crédito rural”, defende o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

Na opinião de Gilson Farias, gerente de desenvolvimento de negócios da Central Sicredi Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, o novo patamar da taxa Selic deve favorecer o crédito rural mais para frente. O custo mais baixo dos financiamentos tende a trazer mais oportunidades de negócios.

O presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (CSMIA/Abimaq), Pedro Estevão, pondera que o novo corte de 0,25 não deve fazer tanta diferença, como nas ocasiões anteriores. Na avaliação dele, a maior parte do que chama de “bônus” do recente ciclo de redução da Selic já chegou ao mercado.

Juros de longo prazo

De acordo com o mais recente relatório de crédito do Banco Central, divulgado no final de janeiro, a taxa média do crédito rural para pessoas jurídicas em dezembro de 2019 foi de 6% ao ano nos juros controlados (equalizados pelo Tesouro) e de 7,1% ao ano no crédito livre. Para pessoas físicas, os juros controlados foram, em média, de 6,4% ao ano e os livres, de 8,7% ao ano.

“Hoje, existem operações de 9% ao ano em 8 anos. Vamos avaliar e ver se os juros de longo prazo vão permitir alteração nas operações de longo prazo”, analisa o vice-presidente de Agronegócios e Governo do Banco do Brasil, João Rabelo.

Competitividade e crédito livre

O diretor comercial e de marketing do Banco CNH Industrial, Marcio Contreras, reforça a ideia de que, quanto mais baixa a taxa Selic, mais competitivo fica o mercado. Desta forma, o corte anunciado nesta semana pelo Banco Central ajuda a manter os financiamentos a taxas livres em patamares mais baixos.

Na avaliação dele, a nova taxa ajuda a reforçar a estratégia do governo, de deixar o crédito livre mais competitivo para os grandes produtores, direcionando o maior volume de financiamentos subsidiados para os pequenos e médios.

No boletim Focus do Banco Central divulgado na última segunda-feira (3/2), analistas do mercado financeiro indicaram a expectativa de que a taxa Selic se mantenha nos atuais 4,25% ao ano até o fim de 2020. Para 2021, é esperada uma taxa de 6% ao ano e para 2022, de 6,5% ao ano.

Fonte: Revistagloborural

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️