baner topo1
Juara – Mato Grosso
Domingo, 24 de Janeiro de 2021

Enem 2020: confira estratégias para estudar nesta reta final

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Para facilitar a rotina de estudos nestes dias que antecedem o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), o R7 ouviu professor Ernesto Sobocinski Marczal, do SAE (Sistema de Ensino Digital) para dar algumas dicas de estratégias para facilitar a vida dos estudantes:
Entenda como funciona a prova: Vale ler o edital, mas é preciso entender alguns pontos como: o tempo para realizar a prova, número de questões, horário de abertura e fechamento dos portões, entre outras. No caso do Enem saber administrar o tempo é fundamental para conseguir responder a todas as questões da prova. Para isso, vale fazer simulado cronometrando o tempo gasto.
Estabeleça uma rotina de estudos: Organize e elabore um cronograma para estudar, sempre
respeitando os intervalos para lanches, alongamento e descansos. O estudo diário é fundamental, mas nada de ficar horas sem o descanso, que é necessário para ajudar a renovar as energias e absorver o melhor dos estudos. “O
que poucos entendem é que estudar é uma estratégia e precisa ser elaborada e praticada. São as habilidades de cada um que irão ajudar a criar uma rotina de estudo completamente eficaz”, explica o Professor Ernesto Sobocinski Marczal.
Invista em diferentes recursos e ferramentas: Além dos livros, usufruir de recursos que a tecnologia
oferece, como: videoaulas e podcasts que são ferramentas que podem auxiliar os estudantes a revisar conteúdo, tirar dúvidas do que é preciso para se aprofundar. E praticar é o segredo, realizar exercícios constantemente de acordo com os conteúdos assistidos, isso ajuda entender com mais facilidade as especificidades da aplicação do conhecimento.
Alterne os conteúdos e estude de forma interdisciplinar: durante as aulas ou durante os horários de estudos,
é necessário alternar as áreas de conhecimento ou componentes curriculares. Iniciar, por exemplo, estudando pela área de matemática e depois passar para humanas ou linguagens. Isso contribui com o desenvolvimento de diferentes habilidades que vão favorecer o aprendizado.
Faça avaliações e simulados: Também ajuda muito treinar a partir de simulados
e avaliações específicas. Essa prática contribui com o entendimento lógico do exame e auxilia o estudante a criar uma gestão de tempo de resolução, além de trazer mais conhecimentos e promover a familiarização com o tipo de questões aplicadas, o que terá impacto na performance de cada um. Os testes e simulados proporcionam que os alunos
vivenciem as condições do dia do vestibular real e possuem relatórios diagnósticos que permitem identificar os conteúdos para os quais os alunos ainda precisam dedicar mais estudo. Além de possibilitar o aumento da segurança e a autoconfiança, posturas essenciais para alcançar um bom desempenho acadêmico..
Pratique redação: Vale reservar um tempo após o momento de descanso, para a leitura. Outro ponto é adotar a prática da escrita, esse hábito é fundamental para desenvolver uma boa capacidade argumentativa, ser interdisciplinar e estar por dentro das atualidades. Produzir uma redação por dia ajuda a estimular  raciocínio e a habilidade de transpor as ideias para o papel. Vale refazer as redações de edições anteriores e comparar com aquelas que tivem nota mil para ter uma ideia melhor do que o Enem exige.
Invista em mapas mentais: Por fim, produzir mapas mentais pode contribuir
na consolidação de conhecimentos e habilidades. Essa ferramenta traz palavras-chave, imagens e cores que estimulam as capacidades cognitivas: criatividade, memória, linguagem e lógica que ativam os dois hemisférios cerebrais (esquerdo e direito), o que propulsiona o desenvolvimento cognitivo. Os mapas mentais podem ser criados em uma folha ou no computador, eles podem ser compostos de cinco elementos: ideia central, ramificações, imagens e palavras-chave, cores e atualizações. A partir disso, é necessário escolher um tema principal e colocar no centro do mapa, este será o assunto mapeado. Desse “núcleo”, basta puxar os “galhos”, cada galho é um subtópico do tema central, que também se ramifica à medida que as associações vão ficando mais específicas. “Escolha
e use imagens e palavras-chave que representem essas conexões a fim de sintetizar o conteúdo e consolidar a aprendizagem. Abuse de cores, elas ajudam o cérebro a ter mais foco em cada informação, destaque com tons diferentes as informações mais importantes. Por fim, acrescente sempre novas ideias, quando necessário”,
finaliza Ernesto Sobocinski Marczal.

Fonte: R7

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️