baner topo1
Juara – Mato Grosso
Sábado, 17 de Abril de 2021

Entenda porque não pode velar os mortos vítimas do coronavírus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
REUTERS/Bruno Kelly/Reuters

 

Muitas pessoas não entendem, porque os corpos de paciente falecidos por coronavirus não podem ser velados e para a parcela da população, que acredita na “Teoria da Conspiração”, ou seja, que vê a pandemia apenas como uma manobra política com fins escusos, essa exigência sanitária, não passa de um meio para sabotar a verdade.

A reportagem da Rádio tucunaré foi buscar em dois sites a resposta para sanar duvidas de quem busca entender os fatos sem viés políticos, pois para quem leva tudo pelo lado político ideológico, nenhuma explicação satisfaz.

Por que o caixão é lacrado?

As vítimas do novo coronavírus podem abrigar o vírus dentro do seu organismo, mesmo após a morte, por isso muitas autoridades têm se questionado sobre a melhor forma de enterrar essas pessoas e os riscos envolvidos. “Os caixões são fechados, principalmente, para oferecer segurança aos funcionários e familiares, evitando e minimizando os riscos à saúde”, explica Lina Paola, infectologista do hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e formada na Pontifícia Universidade Bolivariana, na Colômbia.

O pulmão expele todo ar que está contido, dentro do órgão, por até 72 horas, e os líquidos do corpo também são eliminados. Começam a sair os fluídos corporais e todos eles são, potencialmente, transmissores de doenças. Esse processo começa uma vez que o corpo morre“, comenta a infectologista.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), “exceto nos casos de febre hemorrágica (como Ebola ou febre hemorrágica de Marburg) e cólera, os cadáveres geralmente não são infecciosos”. Quando o foco é a COVID-19, o maior risco de contaminação acontece em situações de autópsia, por isso a atenção deve ser redobrada no manuseio do corpo, mas a doença ainda segue sendo melhor investigada.

Como ainda não temos conhecimentos concretos da permanência do vírus no corpo humano, é melhor mantermos todas essas medidas até todos os estudos conclusivos serem feitos, com dados mais confiáveis. Isso é para a segurança da equipe de saúde, para a equipe que maneja o corpo e para os familiares. É uma situação triste, mas põe em risco muitas pessoas ao redor do corpo“, completa a infectologista Lina Paola sobre a importância de não se interagir com quem morreu de COVID-19. (https://canaltech.com.br/saude/por-que-o-caixao-e-lacrado-na-covid-19-entenda-como-e-o-ultimo-adeus-164827/)

O médico infectologista e professor da Ufes, Crispim Cerutti, explica que a proteção se faz necessária, pois existe um grande risco de contaminação pelas superfícies de contato com o corpo. “O contato não é só interpessoal. O contato é com as superfícies, onde você tem uma alta carga do vírus, há um maior risco de contaminação e infecção daqueles que lidam naquele ambiente. Então, as pessoas que estão transportando caixão tem que ter o mesmo tipo de proteção que tem o profissional de saúde que faz o atendimento do indivíduo doente” (https://www.agazeta.com.br/es/gv/por-que-na-suspeita-de-coronavirus-caixoes-precisam-ser-fechados-0420)

 

Fonte: A Gazeta/ Canaltech

Com muito ❤ por go7.site