baner topo1
Juara – Mato Grosso
Domingo, 24 de Janeiro de 2021

Entenda porque órgãos públicos não divulgam nome de pacientes com COVID19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

A primeira reação das pessoas quando a imprensa divulga a morte de um paciente é questionar a revelação do nome dessa pessoa.

Muitos não entendem o porquê do nome ser omitido, quando a Secretaria de Saúde anuncia os casos positivos e óbitos ocorridos.

Apesar do descontentamento de populares, essa atitude dos órgãos públicos encontra um motivo legal para não divulgar os nomes das pessoas testadas com Covid-19.

Os Municípios seguem o protocolo de divulgação de casos de doenças endêmicas através de Boletim Epidemiológico, entretanto, não tem a obrigação de publicar o nome pacientes em investigação, suspeitos, confirmados e descartados, pois segue os princípios da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Esta lei prevê a proteção de “dados sensíveis”, ou seja, informações que, por sua própria natureza, geram presunção de que apresentam maior potencial de serem usadas para discriminação dos seus titulares.

Com isso, a Saúde através da Vigilância Epidemiológica tem por obrigação somente da divulgação dos números e da divisão dos casos (informando a idade, sexo e se apresenta histórico de outras doenças), mas não das informações específicas das pessoas que foram testadas, como o nome completo ou localidade.

Conforme a LGPD, em seu artigo 7º, parágrafo 4º, dispõe que é dispensada a exigência do consentimento para os dados tornados manifestante públicos pela própria pessoa, ou seja, somente a pessoa que foi testada tem a opção de divulgar ou não o resultado do seu exame.

Outra dúvida surge sobre a obrigatoriedade ou não do doente informar o local onde estuda, trabalha e frequenta, que está com COVID 19

De acordo com o artigo 11, inciso VII da LGPD, o compartilhamento da informação pode ser dispensável o consentimento do infectado, porque a justificativa é a “proteção da vida ou incolumidade física do titular ou de terceiro”.

Ou seja, é direito exclusivo da pessoa que fez o exame de Coronavírus se quiser compartilhar de forma aberta, como forma de alertar a população, a maneira de como foi contaminado e recuperação da saúde.

Todas as pessoas que estão sendo notificadas terão o direito à privacidade e intimidade garantida pelo Poder Público. Entretanto, as pessoas que foram testadas, são obrigadas a permanecerem em isolamento social, pois se não, estará cometendo o crime contra a saúde pública.

Fonte: Hoje mais com Rádio Tucunaré

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️