Estudo mostra que gasto com água vem caindo na economia brasileira

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Estudo inédito do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA), divulgado ontem, dia (07) mostra qual a disponibilidade dos recursos hídricos do país e as demandas de água nos setores da economia em escala nacional.

Através do cruzamento de dados, as Contas Econômicas e Ambientais da Água mostram que uma família brasileira consumia, em média, 116 litros de água por dia, em 2017, último ano do estudo.

Em 2013, primeiro ano que o instituto começou a pesquisar o consumo de água no país, a média era de 121 litros por dia por família. O período da pesquisa atravessa o ano de 2015, marcado por uma crise hídrica no país, quando a média caiu para 114 litros/dia.

O economista Michel Lapip, gerente de Contas Econômicas e Ambientais do IBGE, lembrou, em entrevista à Agência Brasil, que a retirada total de água da economia tem aumentado de forma progressiva entre 2013 e 2017.

No início da pesquisa, em 2013, por exemplo, o consumo de água para cada R$ 1 de Valor Adicional Bruto mostrava que eram gastos 7,1 litros por real. Em 2017, este valor caiu para R$ 6,3 litros por real.

“O que é uma coisa boa dentro desse indicador. Significa que para gerar R$ 1 de Valor Adicionado na economia, temos precisado no Brasil cada vez menos de água”, explica.

Entretanto, o estudo muda quando se fala exclusivamente de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura: 1.061 litros/R$. Descontado o volume de água do solo utilizado por essa atividade, foram necessários 96 litros/R$ em 2017.

Em contrapartida, o economista do IBGE informou que o custo médio por volume de água e esgoto da economia tem evoluído progressivamente entre 2013 e 2017. Em 2013, o valor foi R$ 2,18 (R$/ m³), chegando a 2017 com valor de R$ 3,06 (R$/m³). O custo médio da água e esgoto nas grandes regiões é calculado da água que vem do setor de abastecimento.

“Vai depender de como a região está fazendo o mecanismo de regulação de preço da água e do esgoto”. Michel Lapip esclareceu que a agricultura, por exemplo, capta a água que utiliza direto no meio ambiente. “Ela não recebe essa água do setor de abastecimento”.

Consumo

Sobre o indicador de eficiência do consumo de água, o melhor resultado foi registrado no Sudeste: R$ 30,47 por metro cúbico. Ou seja, para um metro cúbico usado na economia foram gerados R$ 30,47 de valor adicionado. O pior resultado foi observado no Centro-Oeste do país, com R$ 6,63 por metro cúbico. O custo com a água de distribuição e serviço de esgoto, por sua vez, teve o maior valor na Região Centro-Oeste, com R$ 4,71 por metro cúbico. O menor valor foi encontrado no Norte, R$ 1,92 por metro cúbico.

Em 2017, o consumo total de água, que corresponde à água utilizada menos a água que retorna para o meio ambiente, foi de 329,8 trilhões de litros. As principais atividades responsáveis pelo consumo de água foram agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (97,4%).

Considerando a água do solo, o Centro-Oeste se destacou entre as grandes regiões, em 2017, apresentando a maior intensidade de consumo de água, com 1.511,9 litros para cada R$ 1 gerado na região. Excluindo o volume de água do solo, o Nordeste teve àquele ano o maior resultado, com 151,4 litros para cada R$ 1 gerado.

Com relação ao uso de água de distribuição, o estudo mostra que a região com a maior participação, em 2017, foi o Sudeste (45%), seguido do Nordeste (29%), Sul (14%), Centro-oeste (6%) e Norte (6%).

Fonte: Agencia Brasil

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Acesse Notícias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️