baner topo1
Juara – Mato Grosso
Quarta-Feira, 27 de Janeiro de 2021

Homem acusado de matar advogado em Juara tem prisão domiciliar decretada pela justiça

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Por unanimidade, a Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) concedeu habeas corpus a Vitor Alves de Assis, substituindo a prisão preventiva por prisão domiciliar e outras medidas cautelares.

Ele é acusado de participação no assassinato do advogado Milton Queiroz Lopes, em março deste ano, em Juara (696 km de Cuiabá).

O voto do desembargador Pedro Sakamoto foi acompanhado pelo desembargador Rui Ramos e pela juíza convocada Glenda Moreira Borges. A decisão foi dada no dia 9 deste mês.

O acusado será submetido ao uso de tornozeleira eletrônica, deverá comparecer obrigatoriamente a todos os atos processuais, manter endereço atualizado e está proibido de ausentar-se de Juara por período superior a 7 dias e sem comunicação prévia a Justiça. Além disso, também não pode aproximar-se dos familiares e das testemunhas.

Relator do habeas corpus, o desembargador Pedro Sakamoto votou pela substituição da prisão preventiva por medidas cautelares, acolhendo o argumento da defesa de que o benefício já havia sido concedido a outros suspeitos de participação no crime.

O magistrado ainda alegou que o mandado de prisão expedido pelo juiz criminal de Juara carecia de fundamentação, violando assim o Código de Processo Penal e a Constituição Federal.

Um dos argumentos do juiz é que o assassinato gerou forte repercussão social e a prisão preventiva deveria ser expedida e mantida para assegurar a credibilidade da Justiça, ainda que os acusados sejam réus primários, ou seja, não cometeram outros crimes.

“De fato, esses argumentos utilizados pelo juiz de origem são verídicos e faz parte da triste realidade brasileira, entretanto, são motivações desprovidas da concretude necessária para evidenciar a gravidade em concreto da conduta, em tese, perpetrada pelo paciente, de modo que tais fundamentos são inidôneos e insuficientes para justificar a medida excepcional que é a prisão cautelar”, destacou o desembargador Pedro Sakamoto.

O crime

Milton Lopes foi alvejado por tiros dentro de seu escritório, na região central de Juara, no dia 17 de março. Após ser atingido, o advogado ainda correu até a porta do escritório buscando socorro ,mas caiu na frente do prédio, onde morreu.

Logo após o crime, em diligências, a Polícia Civil prendeu os dois autores da morte. Eles foram encontrados no distrito de Americana do Norte, em Tabaporã.

Em agosto, os policiais civis de Juara prenderam, em Presidente Prudente – no interior de São Paulo -, o homem investigado como o intermediário do homicídio. Ele foi apontado nas investigações com quem “ligou” mandantes e executores do homicídio. Para isso, teria recebido a quantia de R$ 150 mil, sendo que um terço do valor foi pago aos dois homens que mataram o advogado.

O homem preso em Presidente Prudente morava em Sinop e após as investigações do homicídio, fugiu do Estado.

Fonte: O Livre

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️