Inflamação e deficiência proteica explicariam casos graves de covid-19

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Os casos mais graves de covid-19 apresentam uma assinatura única, segundo estudo de cientistas franceses publicado na revista Science. Trata-se da combinação de uma inflamação exacerbada com uma deficiência proteica específica na resposta imunológica. Para os pesquisadores, essa marca registrada abre um caminho promissor para tratamentos eficazes.

Leia mais: Covid-19: saiba mais sobre a vacina da Rússia anunciada para agosto

A covid-19 se caracteriza por distintos padrões de progressão da doença, dependendo do paciente. Isso implica diferentes respostas imunológicas à invasão do organismo pelo novo coronavírus. Até agora, estudos sugerem que entre 5% e 10% dos doentes desenvolvem a forma mais agressiva. No entanto, pouco se sabe sobre as respostas imunológicas envolvidas nos casos mais graves.

Para tentar preencher esta lacuna, um grupo de pesquisadores franceses coordenados por Jerome Hadjadj, da Universidade de Paris, analisou as células do sistema imunológico dos pacientes que apresentavam as formas medianas e mais graves da doença.

Veja também: Covid-19: conheça as duas vacinas que devem ser oferecidas no país

Nos casos mais graves, os cientistas constataram uma assinatura dupla bem distinta, envolvendo uma inflamação muito exacerbada e a deficiência na resposta imunológica do interferon do tipo 1 – uma proteína que ajuda a combater as infecções virais.

O trabalho sugere que uma produção maior de interferon poderia ser benéfica no combate à doença. E reforça a ideia de que a localização, o tempo e a exposição a essas proteínas específicas podem ser parâmetros importantes a serem observados no tratamento da infecção pelo Sars-CoV-2.

Tratamento

Segundo os cientistas, a partir dessa constatação, os casos mais graves de covid-19 poderiam ser tratados com uma abordagem terapêutica combinada de administração de interferon e terapias anti-inflamatórias. Para os autores do novo estudo, novos trabalhos deveriam ser feitos nesse sentido.

Fonte: R7

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Acesse Notícias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️