baner topo1
Juara – Mato Grosso
Quinta-Feira, 05 de Agosto de 2021

Mato Grosso despenca no ranking do isolamento social, aponta secretaria

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Universidade estadual do Ceará

Mato Grosso é o pior Estado no ranking do isolamento social, medido pela Inloco, segundo dados divulgados, há pouco pela secretaria de Estado de Saúde. O índice chegou ao patamar de 29,96% no dia em que o boletim epidemiológico que notificou 95 mortes em 24 horas por conta da Covid.

O Estado é o único do país com índice abaixo dos 30%. Tocantins é o segundo pior, com 34%, e Rondônia está em terceiro, com 34,1%. Nas primeiras colocações, estão o Acre, com 50,6%; Pará, 45,5%; e Amapá, com 45%.

A diretora do Hospital Estadual Santa Casa e coordenadora do Centro de Triagem Covid-19, Patrícia Neves, conta que dos 50 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade, 44 estão ocupados por pacientes em estado grave da doença. O número representa 100% de ocupação da unidade, uma vez que os demais são leitos de retaguarda, ou seja, para pacientes que estão em enfermaria e podem precisar de internação na UTI.

Os leitos de enfermaria da Santa Casa estão com taxa de 76% de ocupação. Dos 65 pactuados na unidade, 47 estão com pacientes. Conforme o boletim da SES, em todo o Estado a taxa de ocupação de UTIs chegou a 98% e de enfermarias a 65%.

“Precisamos urgente que a população tenha consciência e cumpra o isolamento social e as medidas de biossegurança. O resultado dessa falta de consciência vejo todos os dias com o desespero de famílias na Santa Casa e a busca interminável pelo atendimento do Centro de Triagem”, afirmou Patrícia, destacando que quanto maior o contágio da doença, maior o número de pessoas que precisarão de internação.

O Estado já abriu, desde março do ano passado, 535 leitos de UTI, entre leitos próprios, pactuados e cofinanciados, exclusivos para a Covid-19. Porém, nesta quarta-feira, 190 pessoas estão na fila a espera de um leito de UTI. “As pessoas também precisam entender que não é um problema de falta de recursos, mas de falta de profissionais. Os médicos, enfermeiros, técnicos, todos os profissionais que estão na linha de frente, estão cansados de lutar e o resultado não chegar. Estamos todos nessa batalha há um ano, perdemos muitos colegas. Não vamos desistir, mas precisamos que a população faça a parte que lhe cabe: fique em casa e se cuide!”.

Fonte: Redação Só Notícias (foto: assessoria/arquivo)

Com muito ❤ por go7.site