Metástase óssea: sintomas e tratamentos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

A metástase óssea é uma complicação grave de casos avançados de câncer. Neste artigo, explicaremos o que pode ser feito diante desta situação.

A metástase nos ossos ou metástase óssea é a progressão de certos tipos de câncer para uma complicação grave que incide no estágio da doença. Basicamente, consiste na transferência de células neoplásicas de um tumor em algum órgão para um osso.

Devemos enfatizar que a metástase óssea não é a presença de câncer ósseo primário. Em outras palavras, a doença não começou no tecido ósseo, mas em outro órgão, como a mama ou os pulmões.

Podemos dizer que todos os ossos podem ser receptores de uma metástase, embora sejam mais frequentemente registradas na coluna vertebral e nos ossos longos. Isso tem a ver com a maneira como a circulação sanguínea e linfática drena seus líquidos.

Uma vez que uma célula neoplásica de outra origem é instalada em um osso, um processo de replicação começa neste novo local. A metástase óssea geralmente produz substâncias que estimulam as células do tecido ósseo: osteoblastos e osteoclastos. Essa estimulação é excessiva e o tecido sofre as consequências.

Ao redor das metástases ósseas, o tecido se torna fraco devido à ação dos osteoclastos, ou endurece devido à ação excessiva dos osteoblastos. Esses dois processos são prejudiciais.

A maioria dos cânceres pode provocar metástases, mas elas são registradas com maior prevalência em neoplasias da mama e da próstata. Uma vez instalados, os sintomas se misturam entre os produzidos pelo tumor primário e os causados ​​pela progressão metastática.

Sintomas da metástase óssea

As metástases ósseas compartilham sintomas comuns que vão além dos diferentes tumores primários que as causam. Entre os sinais usuais, temos:

  • Dor: é o sintoma característico das metástases ósseas. Pode ser uma dor persistente ou não. Em alguns pacientes, é exacerbada pelo movimento e, em outros, está presente o tempo todo, mesmo em repouso, o que dificulta o tratamento.
  • Fraturas: como já adiantamos, as metástases no tecido ósseo enfraquecem o osso. Um osso fraco é mais suscetível a quebrar com o mínimo esforço. O tratamento dos traumatismos é essencial em pacientes com câncer para que as fraturas possam ser evitadas.
  • Hipercalcemia: a ferida que causa metástase no tecido ósseo provoca a liberação de cálcio no sangue. À medida que os níveis aumentam, os sintomas resultantes se manifestam, como constipação, falta de apetite e poliúria – urinar muito. Sem apetite e com volumes excessivos de urina, pode ocorrer uma desidratação.
  • Compressões: um dos locais habituais de metástase óssea é a coluna vertebral. As vértebras atingidas podem diminuir de tamanho, se sobrepor umas às outras e até mudar de posição. Nesses processos, os nervos e a própria medula espinhal podem ficar comprimidos.
Fraturas ósseas
As fraturas são uma complicação comum da metástase óssea.

Continue lendo: Osteossarcoma: o que é e como é tratado?

Tratamento da metástase óssea

Existem duas maneiras de abordar o tratamento das metástases ósseas: manter uma abordagem mais localizada ou sistêmica. A escolha vai depender do tipo de câncer inicial, da condição clínica do paciente e da disponibilidade desses tratamentos. Vamos ver algumas alternativas:

Opções sistêmicas

  • Quimioterapia: é o uso de drogas que interrompem algum processo das células tumorais. É provável que seja a terapia de escolha.
  • Radioterapia: através da radiação emitida por equipamentos especiais que penetram o corpo, as células cancerígenas são destruídas. O número de sessões e a dose da radioterapia variam de paciente para paciente. Geralmente, é bastante eficaz no controle da dor da metástase óssea.
  • Terapia hormonal: é o uso de medicamentos que bloqueiam hormônios específicos. Trata-se de uma terapia muito usada no câncer de mama e no câncer de próstata.
  • Imunoterapia: também envolve medicamentos, mas, neste caso, são medicamentos produzidos para imitar funções do sistema imunológico.
  • Radiofármacos: neste caso, a radiação é emitida a partir do interior do corpo, e não com o equipamento externo. Os radiofármacos são injetados no corpo do paciente, viajam para as metástases ósseas e ali irradiam as células tumorais, ficando próximos a elas.
  • Opções adjuvantes e localizadas

    • Bisfosfonatos: os bisfosfonatos bloqueiam a ação dos osteoclastos para impedir que destruam ainda mais os ossos saudáveis.
    • Denosumabe: com uma ação semelhante aos bisfosfonatos, o denosumabe também bloqueia os osteoclastos. Seu mecanismo final de ação é diferente dos outros, mas o resultado final é semelhante.
    • Vertebroplastia: quando a metástase óssea está localizada na coluna vertebral, existe a opção de aplicar uma cola óssea de ação rápida. Esse procedimento é chamado de vertebroplastia e sua eficácia é alta o suficiente para acalmar a dor.
    • Cirurgia: o tratamento cirúrgico está disponível quando certas condições são atendidas. Se a metástase estiver acessível, ela poderá ser operada e removida, ajudando a remover a parte afetada pelo câncer.
    • O aparecimento de uma metástase óssea é uma complicação importante no curso de uma patologia oncológica. É essencial que o paciente seja monitorado por uma equipe de profissionais treinados e atualizados que lhe ofereçam as melhores alternativas disponíveis. Com as novas opções terapêuticas, é possível melhorar a qualidade de vida das pessoas com neoplasia metastática.

Fonte: R7

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Acesse Notícias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️