baner topo1
Juara – Mato Grosso
Segunda-Feira, 12 de Abril de 2021

Morte por covid pode impedir doação de órgãos. Entenda

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Transplantes de órgão caíram 20% em 2020 devido à covid-19 BALAZS MOHAI/EPA

A decisão da família do senador Major Olímpio, que morreu em decorrência da covid-19 na última quinta-feira (18), de doar seus órgãos após constatação da morte cerebral levantou uma questão importante: vítimas da covid-19 podem ser doadoras de órgãos?

De acordo com o médico Luiz Augusto Carneiro d’Albuquerque, chefe do núcleo de transplantes intervivos do Hospital Nove de Julho, em São Paulo, é possível desde que seja seguido um rígido protocolo. “O Sistema Nacional de Transplante criou normas ainda no começo da pandemia. A primeira regra é que os sintomas iniciais da doença tenham acontecido há mais de 15 dias. A partir disso, será feito exames PCR, de sangue e um raio-X para checar a parte pulmonar”, explica Carneiro.

Caso os resultados constatem que o paciente não está mais infectado com a covid, ele se torna um doador comum e serão feitos outros 36 testes. A intenção é checar a presença de alguma doença infecciosa, como sífilis, HIV, tuberculose e outras. Com exames negativos, a pessoa é aceita como doadora.

O que é o oxímetro e como usá-lo em caso de covid

Mas, Carneiro lembra que o receptor tem de aceitar o órgão. “Tem outro obstáculo que é a família do receptor aceitar o transplante, sabendo que vem de um paciente que teve covid e foi afastado por exames qualquer infecção. Assim como fazemos em qualquer transplante de órgão que não estejam tão bom”, afirma.

Esses procedimentos são respeitados devido a possibilidade de doenças do doador serem transmitidas aos receptores pelo órgão. O médico afirma que esses casos são raros. “Como o número de doações, infelizmente, é muito baixo no Brasil e no mundo e a incidência de casos que doenças passaram para o receptor é muito baixo. Mas pacientes com câncer, por exemplo, não são doadores”, lembra.

De acordo com levantamento da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), os transplantes caíram 20% no Brasil devido à covid-19. De janeiro a dezembro de 2020, foram feitos 7.362 procedimentos. Enquanto em 2019, foram 9.189 transplantes.

A mudança do perfil das vítimas pode mudar esta história, uma vez que as mortes entre os mais jovens subiram nos últimos dois meses. “Na primeira fase da pandemia, como o número de pessoas que foram a óbito era maior entre os idosos, não tivemos muitas doações. Mas agora, é uma possibilidade real de teremos mais doadores”, diz o médico do Hospital Nove de Julho, que lamentou o número alto de mortes por covid.

No caso do senador Major Olímpio, não foi possível ajudar outras pessoas, porque ele ainda estava infectado com a covid-19. Mas, o especialista garante que só a intenção dele e da família já foi importante. “A vontade dele e a decisão da família é um belo exemplo e muito positivo para que as pessoas saibam que é possível fazer a doação. Foi muito bonito. Infelizmente, no caso dele, não deu tempo”, finaliza Carneiro d’Albuquerque.

Fonte: R7

Com muito ❤ por go7.site