baner topo1
Juara – Mato Grosso
Sexta-Feira, 17 de Setembro de 2021

Restrição de idade para AstraZeneca zera coágulos raros, diz estudo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Vaincação contra covid - Vacina Astrazeneca - Centro de Saúde n°13, 23/07/2021 Fotos: Myke Sena/MS

O Reino Unido não registrou, nas últimas semanas, nenhum novo caso de coágulo sanguíneo raro e grave depois de vacinação contra covid-19 com o imunizante da AstraZeneca, após decisão de limitar o uso em pessoas menores de 40 anos, disseram cientistas britânicos nessa quarta-feira.

A trombocitopenia trombótica, induzida por vacina (VITT), é uma combinação de coágulos sanguíneos e baixos níveis de plaqueta,s que foi rotulada como um efeito colateral raro em vacinas de vetor viral contra Covid, como as produzidas pela AstraZeneca e pela Johnson & Johnson.

Uma ocorrência maior do efeito colateral em pessoas mais jovens levou muitos países a colocarem restrições de idade para a vacina.

Cerca de 85% das pessoas que sofreram coágulos sanguíneos raros após a vacinação com AstraZeneca no Reino Unido tinham menos de 60 anos, apesar de mais vacinas terem sido administradas a idosos, concluiu o estudo, em uma das caracterizações mais completas da síndrome até agora.

A pesquisa mostrou que nas pessoas com menos de 50 anos a incidência era de cerca de 1 em 50 mil, em linha com as estimativas anteriores, e os especialistas disseram que o estudo reforçou o entendimento prévio do cálculo do risco-benefício da vacinação.

Sue Pavord, hematologista consultora do Hospital da Universidade de Oxford que liderou a pesquisa, disse que o incidente geralmente afetou jovens que eram saudáveis, e que seria especialmente perigoso se resultasse em sangramento no cérebro.

Acrescentou que um pico inicial de casos do efeito colateral diminuiu com o impacto da decisão do Reino Unido de oferecer vacinas alternativas para menores de 40 anos em maio.

“Não vimos novos casos nas últimas quatro semanas e isso foi um grande alívio”, disse ela a repórteres.

O artigo foi publicado no New England Journal of Medicine.

Fonte: Agencia Brasil

Com muito ❤ por go7.site