Onda de calor pode levar bebês à desidratação grave

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Qual a quantidade de água um bebê a partir dos 6 meses pode tomar? Pode orientar por faixa etária até 2 anos?

A pediatra Renata Waksman, vice-presidente da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), explica que a quantidade de água recomendada pela Dietary Reference Intakes (DRI), consumo dietético de referência, é de 100 ml por dia para bebês de 6 meses a 1 ano, 120 ml por dia para crianças de 1 a 3 anos e de 175 ml, de 4 a 6, mas ela ressalta que. além da idade, deve ser levado em conta o estado metabólico, o nível de transpiração, a umidade do ambiente, da presença de febre, de doenças associadas e perdas intestinais.”A quantidade e frequência devem ser orientadas pelo pediatra para garantir a hidratação, já que a capacidade gástrica de crianças é limitada”, afirma.

A desidratação pode levar à morte? Sim, afirma Renata. “Quando a água eliminada pelo organismo por meioo da respiração, suor, urina, fezes, lágrimas e febre não for reposta adequadamente ocorrerá na desidratação grave a baixa concentração de água, de sais minerais e líquidos orgânicos, que impedem que realize suas funções normais”, diz.

Bebês podem ficar só de fralda em casa ou corre risco de friagem? Sim, em dias muito quentes, segundo a médica. “Esse é um grande mito popular que correm risco de ‘pegar friagem’ e ficar doentes. Muito pelo contrário. Se agasalharmos demais o bebê em dias muito quentes, ele pode desidratar”, alerta.

Calor acima de quantos graus se torna preocupante? A partir de 35º C com umidade baixa do ar é preocupante, ressalta a pediatra. Ela frisa que o bebê pequeno deve ficar vestido de maneira adequada para o clima e temperatura, não ficar exposto ao sol e ser amamentado regularmente. A partir de 35º C com umidade baixa do ar é preocupante.

Como ficam os passeios de carrinho no calor, devem ser mantidos? Sim, até 10h e após 16h, orienta Renata. Vale destacar que a capota do carrinho deve ficar elevada e o bebê com roupas leves, afirma a médica.

Se o bebê não aceita bem tomar água o que fazer? Continue insistindo, recomenda a pediatra. “Ofereça na colher, no copinho, no conta gotas, na seringa”, explica. Segundo ela, bebês podem tomar água de coco em quantidade moderada e nunca em substituição à água. Ela ressalta que o soro caseiro ainda é recomendado. A dose correta é para 1 litro de água mineral, filtrada ou fervida, misturar 1 colher de sopa de açúcar (20 g) e 1 colher de café de sal (3,5 g). Mexer bem e oferecer ao longo do dia todo, orienta.

O suor do bebê é mais nas costas e cabeça? Quando o colchão fica molhado é sinal de desidratação? Renata afirma que os bebês suam mais na cabeça, depois nas mãos e nos pés. Colchão molhado significa que o bebê está com calor ou muito agasalhado, não significa desidratação.

O leite materno substitui a água? Renata explica que o leite materno possui mais de 85% de água. “O começo da mamada, chamada de fase 1, é para matar a sede do bebê. Bebês em aleitamento exclusivo não precisam tomar água”, diz.

Se o bebê não quer por roupa é porque está com calor ou não tem nada a ver? Não tem a ver, diz a pediatra. “Muitas vezes não querem colocar roupa porque queriam ficar mais tempo no banho ou se as roupas passam pela cabeça ao serem vestidas não gostam disso!”, esclarece.

Fonte: R7

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Acesse Notícias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️