baner topo1
Juara – Mato Grosso
Segunda-Feira, 12 de Abril de 2021

Presa por matar e enterrar marido diz que era agredida e estuprada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Polícia Civil esclareceu crime/reportermt.

A Polícia Civil de Cláudia (620 km ao norte de Cuiabá) esclareceu um homicídio ocorrido em fevereiro, no município de União do Sul, e prendeu em flagrante uma mulher de 36 anos pelo crime de ocultação de cadáver. Na delegacia, ela confessou ter sido motivada após sofrer agressões e estupros do marido. A vítima é Francisco da Silva, 48 anos.

Conforme o delegado Pablo Carneiro, a mulher procurou a Delegacia de Cláudia na tarde de quarta-feira (03), acompanhada de advogado, e informou que havia cometido o crime contra seu marido motivado, segundo ela, por vários episódios de violência doméstica.

Ela alegou em primeira declaração na delegacia, que depois de uma discussão motivada por ciúmes, foi agredida pelo marido e teria sido obrigada a manter relação sexual não consentida (estupro) com ele e depois a trancou para fora da casa. Esses fatos teriam ocorrido na noite da sexta-feira, dia 19 de fevereiro.

Após passar a noite na área da casa, a acusada informou que foi até uma vizinha e contou sobre as agressões. Aos policiais, ela disse que Francisco havia saído de casa.

Ainda durante as primeiras declarações na delegacia de Cláudia, a mulher disse que no domingo, dia 21 de fevereiro, Francisco a ameaçou com uma faca dizendo que iria matá-la por tê-lo denunciado à polícia.

Depois disso, a ela disse que conseguiu escapar, pegou uma espingarda de pressão que havia na residência e disparou contra o marido.
Após matá-lo, a acusada o enterrou em um buraco nos fundos da residência, aberto para criação de peixes, que é uma chácara em um assentamento no município de União do Sul.

No dia seguinte, depois de enterrar o corpo do marido, ela contou que ateou fogo na cama do casal, pois ainda estava com cheiro de sangue.

Outras duas pessoas que auxiliaram a mulher na ocultação do cadáver também responderão a procedimentos.

Um rapaz de 20 anos, que ajudou a esconder o corpo responderá por ocultação de cadáver, posse irregular de arma de fogo de uso permitido e corrupção de menores. Com ele, a Polícia Civil encontrou a arma usada no crime e um celular da vítima, que foram dados pela suspeita como pagamento na empreitada criminosa.

Já uma adolescente, de 17 anos, deve responder por ato infracional análogo ao crime de ocultação de cadáver.

Esclarecimento do crime
Com base nas informações relatadas pela suspeita, a Polícia Civil acionou a Perícia Técnica Oficial e realizou diligências até o local indicado, onde foi constatado o corpo enterrado em um buraco, a aproximadamente dois metros de profundidade.

Após coletar outras informações na vizinhança, os policiais civis identificaram que as alegações dadas pela suspeita não batiam com as evidências encontradas.

A equipe policial apurou que a adolescente de 17 anos teria auxiliado, a pedido, a suspeita a esconder o corpo, como também ela confidenciou à garota que matou o marido enquanto ele dormia.

Para ocultar o cadáver, a mulher contou também com a ajuda de um morador da vizinhança. Em buscas, os policiais civis localizaram na casa do rapaz de 20 anos a arma utilizada no crime, que a suspeita deu a ele como pagamento pelo auxílio na empreitada criminosa, além do celular da vítima, que ele vendeu.

Após a remoção do corpo, a equipe policial conduziu a suspeita, o rapaz e a adolescente à Delegacia de Cláudia, onde todos foram ouvidos em depoimento.

A mulher acabou confirmando que, de fato, havia matado o marido enquanto ele estava dormindo e que forjou as marcas de agressão em seu pescoço, que ela mesmo cometeu, para reforçar a tese de que teria sido agredida por Francisco.

Após os depoimentos, o delegado Pablo carneiro autuou a suspeita em flagrante por ocultação de cadáver e corrupção de menores, além do homicídio qualificado.
O delegado representou à Justiça pela prisão preventiva da mulher, que será encaminhada a uma unidade feminina do Sistema Penitenciário na região.

Fonte: ReporterMT

Com muito ❤ por go7.site