baner topo1
Juara – Mato Grosso
[dataehoranews]

Professor da Escola Plena Daury Riva publicou livro sobre a história do Rio Arinos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Com o título, “Histórias e registros do Rio Arinos: Quase três séculos de navegações, descobertas, guerras e aventuras às margens do Rio Diabólico”, o professor Aparecido da Silva apresentou no Dia Mundial do Livro, sua obra, que demorou quase duas décadas de pesquisas e produção para se tornar realidade.

A história de um dos rios mais famosos do Brasil desde a década de 1740, contada a partir de uma revisão bibliográfica, complementada com pesquisa de campo, faz o leitor se prender em uma leitura que revela três séculos de pura história desconhecida por todos.

Reunindo pesquisas de cientistas, cartógrafos médicos, artistas, geógrafos, fotógrafos, engenheiros e padres, publicadas em português, inglês, espanhol e alemão, anexando a isso histórias de índios, garimpeiros, seringueiros, pescadores, donos de barcos e aventureiros, o professor apresenta de forma sucinta, a passagem de mais de dez expedições oficiais pelo Rio Arinos em sentido ao Pará, desde 1742 até 2015.

O livro traz muitas contribuições para a etnografia, história e geografia da região que hoje compreende o Vale do Arinos. São 140 páginas de uma leitura cativante que leva o leitor ao mundo imaginário, ao mesmo tempo que desnuda a história, ao revelar que uma bandeira Russa já foi hasteada às margens do Arinos em um cerimonial Russo, na década de 1820, onde o barão Georg Heinrich Von Langsdorff, com toda pompa de um oficial e seu uniforme cheio de medalhas e estrelas, se apresentou para o chefe dos Apiacás, que mais tarde descobriria ser um impostor.

O livro traz detalhes de como e quando foram colocados nomes em trechos do Arinos, “Corredeira Cinco Bocas”, “Travessão dos índios”, “Salto Santa Rosa” e tantos outros.

O leitor vai encontrar também, trechos de documentos oficiais da Coroa Portuguesa, que apontam que, Bartolomeu Bueno da Silva (filho), junto com, Antonio Pires de Campos, filho do bandeirante Manuel de Campos Bicudo, teriam encontrado a mitológica Serra dos Martírios e os Araés, em 1673, na Região do Rio dos Peixes, hoje município de Juara.

O autor do livro, professor Aparecido, mestrando em tecnologias emergentes em educação pela Must University, de Miami na Flórida, explica que este material faz parte de um período da história que é desconhecido para os moradores da região, mas que foi muito pesquisado e difundido em outros países e idiomas, que inclusive geraram expedições à região, financiada pelos mais diversos países e reinos.

Fonte: Assessoria/imprensaDauryRiva

Com muito ❤ por go7.site