baner topo1
Juara – Mato Grosso
Quarta-Feira, 04 de Agosto de 2021

Promessa da maratona treina com quenianos antes de estreia olímpica

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Agencia Brasil

“Bem-vindo à casa dos campeões”. A mensagem no portal na entrada da cidade queniana de Iten pode soar prepotente, mas ela é apenas sincera quando se pensa em provas de longa distância. Nas últimas dez edições das seis principais maratonas do planeta – Tóquio (Japão), Berlim (Alemanha), Londres (Reino Unido), Boston, Chicago e Nova Iorque (todas nos Estados Unidos) – um atleta do Quênia esteve no topo do pódio, em média, de seis a sete vezes em cada uma delas.

“Eles [quenianos] treinam em grupos e se ajudam o máximo possível. Querem ver um ao outro bem e fazer parte dessa história. Encaram cada competição como se fosse a última oportunidade da vida e, quando estão treinando, parece que estão escutando o hino nacional. Por mais que estejam cansados, não desistem nunca. E têm a melhor estrutura natural do mundo, praticamente, que é a altitude [2,4 mil metros acima do nível do mar]”, descreve o corredor Daniel Ferreira do Nascimento à Agência Brasil.

O paulista de 22 anos fala com conhecimento de causa. Ele está em Iten desde o último dia 6 e lá permanecerá treinando até o embarque para a Olimpíada de Tóquio. Em maio, o jovem passou duas semanas no Quênia, acompanhado do técnico Neto Gonçalves, preparando-se para a primeira maratona da carreira, em Lima (Peru). No dia 23 daquele mês, Daniel não só venceu a prova alusiva aos 200 anos da independência peruana como atingiu o índice olímpico, com a melhor marca entre os brasileiros, correndo 42 quilômetros em 2h09min04. Além dele, Daniel Chaves e Paulo Roberto de Almeida Paula também competirão na capital japonesa.

Nada mal para quem, há um ano e quatro meses, em entrevista anterior à Agência Brasil, sonhava com a estreia olímpica somente em 2024, nos Jogos de Paris. É verdade que, de lá para cá, houve o adiamento da Olimpíada para 2021, por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Na época, Daniel tinha acabado de alcançar marca para representar o Brasil no Mundial de Meia Maratona (21 km) ao conquistar a Meia Maratona Internacional de São Paulo, que foi transmitida ao vivo pela TV Brasil.

“Sinceramente, não esperava obter o índice para Tóquio. Naquela ocasião, o tempo era muito curto. Quando os Jogos foram adiados, passei a acreditar mais. Foi tudo passo a passo. Competi no Troféu Brasil, no Mundial de Meia e aquilo foi fortalecendo. Faltando pouco de novo para fechar [a janela para obter] o índice, o pessoal falou: ‘Daniel, vai para a maratona que você vai ser dar bem’. Apareceu um patrocinador que propôs a ida ao Quênia. Quando cheguei lá, fiquei ainda mais motivado”, recorda o maratonista.

“[Ir ao] Quênia é uma coisa que desejo para todo mundo, não só para quem é atleta. Você aprende sobre simplicidade e humildade. Um ajuda o outro. Eles vivem de alimentação natural, então, o que plantam, eles vendem ou utilizam para consumo. A tradição deles é bíblica e eles respeitam bastante, primeiro, as leis de Deus e depois as leis dos homens. Aprendi muitas coisas”, completa.

Acostumado a treinar sozinho em Bauru (SP), Daniel pôde compartilhar, na primeira estada em Iten, o dia a dia com fundistas que, segundo ele, costumava ver apenas por vídeo e ter uma dimensão do resultado das atividades. Rotina que, no retorno ao Quênia, é ainda mais intensa e decisiva.

“Antes dos Jogos, a maioria dos atletas [quenianos] se prepara na Europa, fazendo trabalhos com os treinadores de lá, de fortalecimento, porque no Quênia é difícil ter essa estrutura. Lá é tudo na base do conhecimento e da sabedoria. Só que agora é o momento olímpico, então, para cada lado que eu olhar, terá um adversário meu da maratona. Perto de onde estou vejo o [Eliud] Kipchoge correndo para lá e para cá [risos]”, conta o brasileiro, em alusão ao maratonista que é o atual campeão olímpico e recordista mundial.

A empolgação atual contrasta com a sensação vivenciada por Daniel após a Corrida Internacional de São Silvestre de 2018, quando deixou a prova com dores no tendão de aquiles. Apesar de já ser uma das promessas do atletismo brasileiro, o jovem desistiu do esporte e voltou a trabalhar na roça, como ele mesmo diz, em Paraguaçu Paulista (SP), onde nasceu. Meses depois, porém, retomou os treinos a tempo de ser o brasileiro mais bem colocado da São Silvestre seguinte, com o 11º lugar.

“A principal experiência daquele período na roça foi aprender a valorizar o que se quer e ama fazer. Às vezes, o cara adota uma profissão, mas é apaixonado por outra coisa. Graças a Deus, consegui me encontrar e isso deixou meu psicológico forte. Quando você começa a ganhar provas, fica mais motivado e tem que se embalar. Se você parar e ficar olhando para trás, não chega na frente. Um queniano, brincando comigo, disse que tenho que imaginar que sou uma Ferrari. Pode ver que o retrovisor da Ferrari é pequenininho. É justamente para nem olhar para trás”, reflete Daniel, que não vê a hora de colocar tanto aprendizado em prática em Tóquio.

“Eles [quenianos] são de carne e osso como a gente, com dias bons e ruins. Vou me preparar e ter coragem de ir para cima. Se der certo ou errado, o aprendizado será igual, pois a vida é assim”, conclui.

Fonte: Agencia Brasil

Com muito ❤ por go7.site