Quais são os diferentes tipos de anestésicos gerais?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

Os anestésicos gerais podem ser inalatórios ou intravenosos. Seu uso só pode ser administrado por um profissional médico. Eles possuem alguns efeitos colaterais que devem ser controlados para não gerarem complicações.

Os anestésicos gerais são medicamentos usados ​​na sala de cirurgia para induzir a anestesia geral. Esse estado é caracterizado pela depressão progressiva e controlada das funções do sistema nervoso central.

Quando uma pessoa está sob os efeitos de diferentes tipos de anestésicos gerais, ela sofre uma perda da consciência e da reatividade a estímulos dolorosos. Ambos os efeitos são reversíveis.

Assim, dependendo do objetivo a ser alcançado, diferentes tipos de anestésicos gerais serão utilizados. Os objetivos mais comuns são:

  • Insensibilidade à dor
  • Perda de reflexos
  • Amnésia completa de tudo o que acontece durante o procedimento cirúrgico
  • Relaxamento muscular esquelético
  • Perda de consciência

Todos esses efeitos se originam de diferentes locais no sistema nervoso central, e alcançá-los com um único medicamento exigiria concentrações muito altas. Por esse motivo, são usadas combinações para evitar a depressão irreversível de áreas vitais do cérebro.

Características da anestesia geral

Apesar dos grandes avanços na área da ciência anestésica, as estruturas afetadas e as moléculas envolvidas nesse tipo de medicamento ainda não são totalmente conhecidas. Sabe-se que eles obviamente produzem sedação e hipnose, modificando de forma profunda vários processos e comunicações orgânicas.

Algumas das hipóteses que os profissionais descreveram são:

  • Os anestésicos gerais têm uma ação inespecífica nas propriedades da membrana neuronal.
  • Teoria lipídica de Meyer e Overton: essas drogas agem sobre alvos lipídicos, isto é, gorduras, e, portanto, sua potência dependerá da solubilidade que apresentam nas gorduras.
  • São medicamentos que exercem ação sobre as proteínas dos receptores ou canais iônicos.
  • Estão implicados na ação dos canais de voltagem dependentes e dos canais iônicos que dependem de ligações.

Ao administrar um anestésico geral, três fatores devem ser avaliados, acima de tudo:

  • Velocidade com que a anestesia é obtida
  • Duração de uma determinada dosagem
  • Potência, profundidade e intensidade da anestesia
Anestesia antes de cirurgia
Os anestésicos gerais podem ser inaláveis ou intravenosos.

Anestésicos gerais por inalação

Esses tipos de anestésicos gerais são substâncias que, inaladas pelas vias aéreas, produzem anestesia geral. Não são drogas irritantes e são usadas com frequência ​​para a manutenção da anestesia juntamente com indutores intravenosos.

A potência anestésica desses medicamentos depende da pressão ou tensão parcial que o anestésico atinge no cérebro. Normalmente, está sempre perto da pressão parcial no sangue. Alguns exemplos desses anestésicos gerais são:

  • Protóxido de nitrogênio
  • Halothane
  • Isofluorano
  • Desflurano
  • Sevofluorano

Todos eles são absorvidos e passam pela mucosa até atingir o cérebro. Essa absorção ou difusão é realizada em três etapas:

  1. Estágio de inalação pulmonar: o menos solúvel terá uma taxa de indução rápida e o mais solúvel produzirá a anestesia mais lentamente.
  2. Distribuição nos tecidos.
  3. Eliminação.

Leia também: Cirurgia estética genital: labioplastia ou ninfoplastia

Anestésicos gerais intravenosos

Máscara para administrar anestesia geral
O uso de anestesia geral é reservado para profissionais médicos.

Também existem anestésicos gerais que são administrados por via intravenosa, a fim de induzir e manter a anestesia antes de um procedimento cirúrgico. São substâncias com propriedades hipnóticas, analgésicas, ansiolíticas e relaxantes musculares.

A anestesia intravenosa facilita rapidamente a indução da anestesia, mas é muito menos bem controlada do que a anestesia geral por inalação. Os profissionais de saúde desta especialidade usam o parâmetro de taxa de infusão (VIM) para atender aos requisitos de anestesia clínica.

Alguns exemplos de anestésicos gerais são:

  • Tiopental de sódio
  • Propofol
  • Etomidato
  • Cetamina

Todos esses medicamentos podem produzir uma série de efeitos adversos, como depressão respiratória, apneia, rigidez muscular, visão embaçada e alterações de humor, entre outros.

Você também pode se interessar: Hidromorfona: usos e efeitos colaterais

Anestesia como procedimento médico

Como vimos, a anestesia geral é um processo delicado, no qual é preciso ter muito cuidado com os medicamentos utilizados e com a dose administrada, pois o uso indevido pode levar à morte do paciente. Atualmente, temos uma grande variedade de anestésicos gerais que nos permitem reduzir os efeitos adversos e os riscos associados a eles.

Fonte: R7

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Acesse Notícias. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️