baner topo1
Juara – Mato Grosso
Sexta-Feira, 17 de Setembro de 2021

Sindicato em Juína tenta sensibilizar Denit sobre limitações de cargas em rodovias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Cleber Batista JNMT

O SIMNO – Sindicato das Indústrias Madeireiras do Noroeste de Mato Grosso idealizou um abaixo assinado que foi encaminhado ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).

Segundo o presidente, Paulo Veronese o principal objetivo do abaixo-assinado foi expressar através desse instrumento um manifesto ao órgão.

Além do abaixo assinado foram anexados ainda ofícios de entidades; alguns documentos de outros representantes de órgãos públicos que foram entregues ao DENIT.

“Quisemos relatar as nossas necessidades e as dificuldades que nós vamos ter com essa portaria limitando as cargas; nós fomos recebidos na segunda-feira (20); já foi feito o protocolo e eles nos garantiram que iam nos dar uma resposta essa semana ainda” frisou Veronese.

Segundo Paulo, na negociação que o sindicato teve junto ao coordenador do DENIT do Estado de Mato Grosso o diretor não se mostrou favorável ao pedido do SIMNO, mas prometeu dar uma resposta oficial sobre o pedido; ainda de acordo com o presidente a um representante da classe em Brasília que está conversando a nível federal para possivelmente organizar uma mobilização em na capital federal; a resposta deve ocorrer nas próximas horas.

Outro instrumento que o sindicato pretende utilizar é entrar com mandado de segurança para ter atendido a retirada da exigência sobre limite de pesos de cargas em caminhões que transportam cargas na região noroeste do Estado de Mato Grosso entre os municípios de Castanheira e Colniza.

A limitação de pesos das cargas transportadas por carretas em estradas da região noroeste pode gerar um impacto para o setor de exploração madeireira como para o comércio regional segundo Paulo Veronese.

“É uma situação complicada; na nossa região tem muita gente dependendo do setor madeireiro, da pecuária, e a gente tem agora alguns empresários investindo na agricultura, passando por Castanheira sentido Novo Horizonte na Cidade Morena com pelo menos 17 produtores de soja; hoje eles vão colher em torno de 245 mil sacas de soja; a fazenda Continental tem armazenamento para 220 mil sacas; então é hora de sair o produto deles e eles tem que tirar agora senão daqui 15, 20 ou 30 dias no máximo não tem onde por mais essa colheita; e o transporte de grãos no Brasil é feito com carretas de 9 eixos com grandes carretas; pequenos caminhões são feitos para transporte curto e médias distâncias”, justificou.

Para o presidente, a determinação do DENIT pode influenciar ainda no abastecimento de combustível da região onde as empresas se estruturaram para o transporte com caminhões de 9 eixos,  por causa da limitação de peso, tem empresas com até 20 caminhões parados.

A balança que mede o peso dos veículos está instalada no município de Castanheira-MT, o limite total da carga não pode ultrapassar 48 toneladas.

Os caminhões que tem como destino os municípios de Juruena, Aripuanã, Colniza e Cotriguaçu não passam mais pela balança com o excedente nas cargas.

Por fim segundo o sindicato^, houve um aumento no frete de 30% por causa do limite de peso, o que era carregado por um caminhão em uma única viajem agora tem de ser dividido em duas para atender as exigências do DENIT.

A determinação visa manter a segurança do tráfego na BR-174/MT, a portaria entrou em vigor a partir do dia 13 de janeiro e regulamenta a circulação de veículos pesados na rodovia. Conforme o documento, fica proibido o tráfego de veículos com o Peso Bruto Total Combinado (PBTC) acima de 48,50 (quarenta e oito e meia) toneladas na rodovia BR-174/MT.

A PRF fiscaliza o cumprimento da determinação e realiza fiscalizações em vários pontos das rodovias na região.

Fonte: Cleber Batista JNMT

Com muito ❤ por go7.site