baner topo1
Juara – Mato Grosso
Sábado, 16 de Janeiro de 2021

Setores da economia já perdem ritmo de atividade por coronavírus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest

O ritmo de produção de alguns setores da economia brasileira já foi afetado pelo avanço da pandemia de coronavírus pelo mundo. De acordo com a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), os segmentos de produção mais atingidos até o momento são aqueles dependentes de peças e insumos do exterior.

Os cancelamentos de viagens, hospedagens e eventos também impactam fortemente o turismo, segundo a confederação, que diz estar atenta aos desdobramentos e aos impactos que a pandemia pode provocar.

Leia mais: Governo reduz projeção do PIB de 2020 de 2,4% para 2,1%

Roberto Dumas, professor de economia internacional do Insper, classifica os acontecimentos atuais como uma “tempestade perfeita” para barrar o ciclo de crescimento econômico nacional, com a pandemia devastando alguns dos principais parceiros comerciais do Brasil.

“A maior parte da nossa exportação vai para a China, que vai crescer menos. Em sequência, os maiores compradores são os países da União Europeia, que já sofrem com a pandemia. Itália vai entrar em recessão, França vai entrar em recessão e a Alemanha vai entrar em recessão”, avalia Dumas.

Responsável por dois terços da economia nacional, o setor de serviços “é o que mais tende a apanhar” com a disseminação do coronavírus, prevê Dumas. “Esse motor de crescimento do Brasil vai desligar”, lamenta o professor ao estimar um crescimento de, no máximo, 1% neste ano.

A CNC também manifesta a confiança de que os problemas serão superados, com a necessária mobilização coordenada do governo, empresários e da sociedade para as ações preventivas e reativas.

Comércio

No segmento do comércio, a associação que representa os supermercados de São Paulo afirma que as redes estão com os estoques normalizados e o abastecimento de produtos acontece com fluxo normal.

“Há uma maior procura por itens de prevenção, como álcool em gel, porém toda a cadeia de abastecimento vem trabalhando para que os itens não faltem nas prateleiras e, além disso, se mantenha um equilíbrio de preço nos pontos de vendas”, relata a Apas (Associação Paulista de Supermercados).

Veja mais: Especialistas dizem que momento é de cautela na Bolsa

Nesta segunda semana de abril, o faturamento das vendas do comércio saltou 0,7% em comparação com período semelhante do ano passado, de acordo com um levantamento da Cielo.

No período, os destaques ficaram por conta dos supermercados (+18,6%) e das farmácias e drogarias (+12,6%). Por outro lado, o faturamento das atividades ligadas ao transporte e turismo despencou 28,5%.

Fonte: R7

Com muito ❤️️ por GO7.SITE

⚙️