Juara – Mato Grosso

30 de maio de 2024 18:59

[dataehoranews]

TJ anula lei que concede auxílio para atletas amadores em Juara

Coordenadoria de Comunicação do TJMT OtmarOliveira-

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça (TJMT) declarou inconstitucional a Lei Municipal nº 3.072/2023 do município de Juara, a 737 km de Cuiabá, que concede auxílio financeiro aos atletas amadores e profissionais que participarem de eventos e competições esportivas representando o município. A decisão consta no Diário da Justiça Eletrônico (DJE).

A Prefeitura de Juara ajuizou a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a Câmara Municipal de Juara questionando a constitucionalidade da Lei Municipal nº 3.072/2023, que “autoriza o Chefe do Poder Executivo Municipal a conceder auxílio financeiro aos atletas amadores e profissionais que participarem de eventos e competições esportivas representando o município”. A lei cita que o auxílio financeiro poderá ser concedido individual ou coletivamente, de acordo com o esporte e cronograma do evento, subordinado ao interesse e disponibilidade financeira do município.

Segundo a Prefeitura, existe vício formal na normativa, “uma vez que padece de estudo de estimativa do impacto orçamentário e financeiro da proposição legislativa”, violando claramente o artigo 195, parágrafo único, da Constituição de Mato Grosso, notadamente no que concerne à iniciativa privativa do prefeito nas leis que dispõe sobre matéria orçamentária e tributária e ainda, o artigo 113, do ADCT, pois não houve estudo de estimativa do impacto orçamentário e financeiro, nem mesmo quando a referida lei foi proposta através do projeto de lei n° 029/2022, demonstrando que, toda a tramitação legislativa em questão “se indispõe com princípios estruturantes da Constituição Federal, além de entrar em contraste com norma indispensável para garantir a execução orçamentária já aprovada para o exercício de 2023”.

Aduziu que “para além da inconstitucionalidade formal, há ainda a inconstitucionalidade material, por violação ao princípio da Separação dos Poderes, previsto no artigo 9º da Constituição do Estado de Mato Grosso” e “ainda que tente justificar que no mencionado Projeto de Lei do Legislativo nº. 029, de 18 de novembro de 2022 não se encontra compreendida nenhuma situação de obrigatoriedade, sem dúvidas nenhuma, faz se presente a criação de um programa (e) a implantação e execução de programas na municipalidade, constitui atividade puramente administrativa e típica de gestão; logo, inerente à chefia do Poder Executivo”.

O relator do caso, o desembargador João Ferreira Filho, apontou que ocorreu vício de iniciativa, destacando que propositura de normativa desta natureza cabe ao Poder Executivo e não Legislativo.   Ainda segundo ele, se a norma que implica aumento das despesas públicas municipais não vem acompanhada da indicação dos recursos disponíveis para atender aos novos encargos, “isto é, de prévia dotação orçamentária ou autorização específica na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) municipal, também deve ser reconhecida sua inconstitucionalidade material”.

“Enfim, considerando que o ato normativo está eivado de vício formal, por veicular matéria de iniciativa legiferante reservada ao Prefeito, e vício material, por legitimar gastos públicos que sequer foram objeto de estudo e planejamento pelo Poder Executivo, em claro desrespeito à necessidade de prévia dotação orçamentária municipal, deve ser reconhecida a inconstitucionalidade da Lei Municipal nº 3.072/2023, do Município de Juara/MT”, diz trecho do voto.

 

Fonte: VG Notícias

Parceiros e Clientes

Entre no grupo Acesse Notícias no Whatsapp e receba notícias em tempo real.
Feito com muito 💜 por go7.com.br